Notícia

Inovação Tecnológica

Ciclo de Conferências da USP vai discutir ciência e tecnologia

Publicado em 21 agosto 2011

Com informações da Agência Fapesp

Discussão sobre ciência e tecnologia

De acordo com Marco Antônio Zago, pró-reitor de pesquisa da USP, as "Conferências USP" têm o objetivo de fazer com que a universidade reassuma o seu papel central na discussão sobre a ciência e a tecnologia, que hoje se tornou responsabilidade quase que exclusiva de sociedades científicas e profissionais.

"Salvo algumas exceções, de modo geral as universidades têm-se afastado um pouco, ou não têm se envolvido profundamente, na questão que é mais fundamental para elas, além da educação, que é promover a discussão sobre a ciência e a tecnologia", disse Zago."Isso não exclui nem vai contra outras iniciativas, como congressos, reuniões científicas e seminários que são promovidos por instituições, como a FAPESP, que têm promovido uma grande quantidade de eventos para discutir questões da ciência e que resultam em importantes programas e acordos de pesquisa. Mas a universidade também precisa reassumir essa função", disse Zago.

Primeira conferência especial

O tema específico de cada uma das dez conferências será definido por um comitê coordenador e variará todos os anos.

Além das dez conferências por ano, também será realizada anualmente uma conferência especial da Pró-Reitoria da USP, cuja temática não está relacionada a nenhuma das áreas do conhecimento definidas para as dez conferências regulares.

A primeira conferência do ciclo tratou sobre Química e Ciências da Terra. Com o tema "Ano Internacional da Química para um mundo melhor", a conferência integrou as comemorações do Ano Internacional da Química, instituído pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e a União Internacional de Química Pura e Aplicada (Iupac, na sigla em inglês).

Para discutir sobre a contribuição da química para o bem-estar da sociedade, os organizadores do evento convidaram como conferencistas cientistas de renome internacional na área, entre eles os prêmios Nobel de Química Richard Schrock, Ada Yonath e Kurt Wüthrich.

Os três também vieram ao Brasil para participar da Escola São Paulo de Ciência Avançada sobre "Produtos Naturais, Química Medicinal e Química Orgânica", realizada na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) no âmbito da Escola São Paulo de Ciência Avançada (ESPCA), modalidade de evento científico criado pela FAPESP.

"Fizemos um trabalho em conjunto com os organizadores da ESPCA sobre Química para que alguns dos pesquisadores que deram aulas magnas durante a Escola, que é um fórum fechado e voltado para estudantes, também pudessem proferir conferências plenárias para um público mais amplo. Com isso, conseguimos que a Conferência USP contasse com a participação de três prêmios Nobel de Química", disse Luiz Henrique Catalan, professor do Instituto de Química (IQ) da USP e coordenador do evento.

Entre os pesquisadores brasileiros que também participaram como conferencistas está Sérgio Henrique Ferreira, professor da USP, campus de Ribeirão Preto, que descobriu a bradicinina. O evento também conta com a participação de pesquisadores de outros países da América Latina.

Desafios da globalidade

A próxima Conferência USP será em 26 de setembro. Com o tema "Desafios da globalidade: as assimetrias da sociedade internacional", o evento terá como conferencista Celso Lafer, professor titular da Faculdade de Direito da USP e presidente da FAPESP.

Mais informações e a programação do ciclo Conferências da USP podem ser obtidas no endereço www.inovacao.usp.br/uspconferencias.