Notícia

Galileu

Christian, o rato que salvará humanos

Publicado em 01 janeiro 2002

Como estudar doenças exclusivamente humanas sem usar homens e mulheres como cobaias? Criando animais que tenham os genes humanos "defeituosos". Até dois meses atrás, o Brasil não tinha sequer um ratinho transgênico. Agora, tem mais de 40. O pai de todos, um rato chamado Christian, foi desenvolvido por uma equipe de pesquisadores do Instituto de Biociências e da Faculdade de Zootecnia e Medicina Veterinária da Universidade de São Paulo. Christian e sua prole apresentam uma mutação genética que provoca a síndrome de Marfan, doença hereditária masculina que afeta os tecidos conjuntivos e leva à morte. Para chegar a ele, os cientistas incluíram o gene modificado em células embrionárias de ratos. Essas células foram depois enxertadas em embriões que, implantados em ratas, deram origem a uma geração de quimeras - indivíduos que apresentam células com e sem a mutação. Algumas das quimeras poderiam ter o gene modificado nas células reprodutivas e, portanto, gerar ratos totalmente transgênicos. Foi o caso de Christian. A importância para a pesquisa é enorme. "Vários projetos já estão em andamento usando os nossos ratinhos. Agora é que começa a parte cientificamente interessante de descobrir novos dados sobre a doença", diz a professora Lygia de Veiga Pereira, coordenadora do projeto. Estudos para a criação de vacas e porcos transgênicos já estão sendo feitos na USP.