Notícia

Boletim do Acadêmico

Chamada de propostas FAPESP /Stic / Amsud

Publicado em 04 abril 2006

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) abriu chamada de propostas para cooperação científica entre as instituições participantes do Programa Regional de Ciência e Tecnologia da Informação e da Comunicação para a América do Sul (STIC-Amsud).
O Programa STIC-Amsud é uma iniciativa da França em parceria com Argentina, Brasil, Chile, Peru e Uruguai e visa a incentivar a colaboração em pesquisa e desenvolvimento em computação e tecnologias da informação e comunicação.
Os recursos serão destinados, principalmente, a financiar a mobilidade de pesquisadores. São considerados elegíveis, no âmbito da chamada, os pesquisadores responsáveis por Auxílios à Pesquisa da Linha Regular, Projetos Temáticos, Apoio a Jovens Pesquisadores ou por Centros de Pesquisa Inovação e Difusão (Cepids) financiados pela FAPESP.
    A chamada está aberta particularmente a temas como sistemas de informação multimídia; modelagem e desenvolvimento de software confiável e tolerante a falhas; e redes e sistemas de grids computacionais aplicados aos domínios de gestão de energia.
    As propostas devem ser apresentadas à FAPESP até o dia 28 de abril por pesquisadores do Estado de São Paulo. Devem estar associadas a, no mínimo, uma equipe francesa e uma sul-americana, além da equipe paulista. As propostas deverão estar na forma de uma solicitação de aditivo ao projeto em andamento.
    Cada projeto deverá ter a duração de, no máximo, três anos e sua vigência não poderá exceder a vigência do projeto de pesquisa ao qual se vincula o aditivo.
    O Comitê Central para direção do STIC-Amsud é formado, pela parte francesa, por representantes da Direção Geral da Cooperação e do Desenvolvimento do Ministério das Relações Exteriores e do Ministério da Educação do Ensino Superior e de Pesquisa. Pelo lado latino-americano, estão a Secretaria da Ciência e Tecnologia da Argentina, a Comissão Nacional de Pesquisa Científica e Tecnológica do Chile, o Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia do Peru, o Ministério da Educação e da Pesquisa do Uruguai e a FAPESP.
(Fonte: Agência FAPESP, 31/3)