Notícia

Info Exame online

Cérebros velhos podem ficar jovens de novo

Publicado em 28 fevereiro 2012

São Paulo - Características boas e ruins da mente de recém-nascidos, que até pouco tempo atrás eram consideradas como enclausuradas naquela fase da vida sem retorno possível, podem ser retomadas mais tarde.

 

Os dados foram divulgados em pesquisas apresentadas durante a conferência anual da Associação Americana para o Progresso da Ciência (AAAS), que terminou no dia 20 de fevereiro, em Vancouver, Canadá.

 

Por meio do uso de medicamentos ou intervenções comportamentais, tais estudos sugerem que janelas de aprendizado que - julgava-se - se fecham definitivamente a partir de certa idade podem ser "reabertas". Enfermidades adquiridas enquanto recém-nascido, e que pareciam incuráveis, também podem ser curadas.

 

Takao Hensch, neurologista e professor da Escola de Medicina da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, um dos que apresentaram trabalhos sobre esse tema na reunião, resume assim a questão: "Trata-se de tornar cérebros velhos jovens de novo". Suas experiências com ratos se focam em moléculas e na química cerebrais que ajudam a abrir ou fechar essas janelas.

 

Há sérios riscos envolvidos no processo, no entanto, como o próprio Hensch admite, já que alguns desses procedimentos podem ocasionar danos psiquiátricos ou psicológicos, o que fará com que ainda leve tempo para começarem testes com seres humanos.

 

No entanto, seu trabalho e de outros tem ajudado a aumentar a compreensão de como o cérebro, especialmente na primeira infância, funciona, em particular a sua plasticidade, ou seja, como ele se alinha e realinha pela formação de novas conexões entre neurônios, ao responder aos estímulos que recebe do ambiente.

 

O aprofundamento dessas pesquisas pode fazer com que cientistas descubram como intervir para ajudar a melhorar o desenvolvimento e o aprendizado das crianças, bem como fazer com que o cérebro de pessoas recupere parte da plasticidade que tinha no começo da vida.

 

Janet Werker, professora de psicologia da Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, tem observado há anos como nos primeiros meses de vida os bebês rapidamente reagem aos sons da fala que ouvem e aos gestos que veem, o que - em especial entre os seis e os nove meses de vida - faz com que elas comecem a aprender a falar a língua de seus pais.

Crianças que nascem e passam esse período inicial em casas onde a família fala duas línguas diferentes manteriam essa janela para o aprendizado de línguas aberta por mais tempo.

 

Werker também tem registrado há muitos anos que bebês cujas mães haviam sofrido de depressão durante a gravidez tinham essa capacidade de aprender línguas afetada negativamente. Mas, nos casos em que as mães com depressão foram tratadas com um medicamento antidepressivo conhecido como SRI, seus filhos não eram tão afetados.


Recuperação da visão

 

Charles Nelson, da Escola de Medicina de Harvard, mostrou aos participantes da conferência da AAAS os resultados de outra pesquisa nesta área, realizada com 136 crianças de vários orfanatos em Bucareste, Romênia, que haviam sido abandonadas no nascimento.

 

Algumas dessas crianças foram adotadas e Nelson comparou o desenvolvimento desses dois grupos com o de 68 outras crianças, que nasceram e foram criadas com seus pais, em casas também em Bucareste, até todas terem completado oito anos de idade.

 

As conclusões do estudo podem não ter sido surpreendentes, já que comprovaram o que o senso comum preveria: as crianças criadas com os pais tiveram um desenvolvimento cognitivo marcantemente superior aos das que foram adotadas e o destas também foi bastante maior do que as das que ficaram nas instituições.

 

Mas o interessante foi perceber que muitas das capacidades de aprendizado entre as que foram adotadas que estavam vinculadas às janelas que supostamente se fecham em certo momento foram recuperadas por seus cérebros, o que pode comprovar a teoria geral de que a plasticidade pode retornar, dadas certas condições.

 

A pesquisa que mais chamou a atenção do público e da mídia neste tema, no entanto, foi a de Daphne Maurer, da Universidade McMaster, do Canadá - instituição com quem a FAPESP tem um acordo de cooperação científica e acadêmica.

 

Maurer descobriu que crianças nascidas com cataratas congênitas, uma enfermidade visual até agora considerada incurável mesmo após a remoção cirúrgica das cataratas e o uso de lentes de contato, de fato podem obter visão quase completamente normal após uma aparentemente simples intervenção de comportamento.