Notícia

BOL

Cerca de 70% das espécies da Terra são desconhecidas, diz pesquisador

Publicado em 25 fevereiro 2013

Por Karina Toledo, da Agência FAPESP

Embora o conhecimento sobre a biodiversidade do planeta ainda esteja muito fragmentado, estima-se que já tenham sido descritos aproximadamente 1,75 milhão de espécies diferentes de seres vivos - incluindo microrganismos, plantas e animais. O número pode impressionar os mais desavisados, mas representa, nas hipóteses mais otimistas, apenas 30% da vida existente na Terra.

"Estima-se que existam outros 12 milhões de espécies ainda por serem descobertas", disse Thomas Lewinsohn, professor do Departamento de Biologia Animal da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), durante o início do Ciclo de Conferências 2013 organizado pelo programa Biota-Fapesp.

Para avaliar o tamanho do desconhecimento sobre a biodiversidade, explica o professor, são tomados como base os organismos mais bem estudados para avaliar os menos estudados. "Regiões ou países em que a biota é bem conhecida para avaliar onde é menos conhecida. Por regra de três chegamos a essas estimativas."

Técnicas mais recentes, segundo Lewinsohn, usam fórmulas estatísticas sofisticadas e se baseiam nas taxas de descobertas e de descrição de novas espécies. Os valores são ajustados de acordo com a força de trabalho existente, ou seja, o número de taxonomistas em atividade.

"No entanto, o mais importante a dizer é: não há consenso. As estimativas podem chegar a mais de 100 milhões de espécies desconhecidas. Não sabemos nem a ordem de grandeza e isso é espantoso", disse.

Lewinsohn avalia que, para descrever todas as espécies que se estima haver no Brasil, seriam necessários cerca de 2.000 anos. "Para descrever todas as espécies do mundo o número seria parecido. Mas não temos esse tempo", disse.

Algumas técnicas recentes de taxonomia molecular, como código de barras de DNA, podem ajudar a acelerar o trabalho, pois permitem identificar organismos por meio da análise de seu material genético. Por esse método, cadeias diferentes de DNA diferenciam as espécies, enquanto na taxonomia clássica a classificação é baseada na morfologia dos seres vivos, o que é bem mais trabalhoso.

Um artigo publicado recentemente na revista Science apontou que seriam necessários de US$ 500 milhões a US$ 1 bilhão por ano, durante 50 anos, para descrever a maioria das espécies do planeta. De acordo com Lewinsohn, o valor corresponde ao montante gasto do mundo com armamento em apenas cinco dias.

Somente em 2011 foram gastos US$ 1,7 trilhão com a compra de armas. É preciso colocar as coisas em perspectiva", defendeu.

Prioridades

Muitas das espécies desconhecidas, porém, podem desaparecer do planeta antes mesmo que o homem tenha tempo e dinheiro para estudá-las. Segundo dados apresentados por Jean Paul Metzger, professor do Instituto de Biociências da USP (Universidade de São Paulo), mais de 50% da superfície terrestre já foi transformada pelo homem.

A alteração na paisagem tem muitas consequências, como a perda de habitat e a fragmentação, apontada pelo professor como a principal ameaça à biodiversidade. Para Metzger, a fragmentação altera o equilíbrio entre os processos naturais de extinção de espécies e de colonização.

"Cada espécie tem uma quantidade mínima de habitat que precisa para sobreviver e se reproduzir. Não conhecemos bem esses limiares de extinção", alertou.

Metzger diz que esse limiar pode variar de acordo com a configuração da paisagem, ou seja, quanto mais fragmentado estiver o habitat, maior o risco de extinção de espécies - como ocorre nas áreas remanescentes de Mata Atlântica do Estado de São Paulo, onde 95% dos fragmentos têm menos de 100 hectares.

"Estima-se que ao perder 90% do habitat, deveríamos perder 50% das espécies endêmicas. Na Mata Atlântica, há cerca de 16% de floresta remanescente. O esperado seria uma extinção em massa, mas nosso registro tem poucos casos. Ou nossa teoria está errada, ou não estamos detectando as extinções, pois as espécies nem sequer eram conhecidas", afirmou.

Há, no entanto, um fator complicador: o período entre as mudanças na paisagem e na comunidade. Enquanto as espécies com ciclo curto de vida podem desaparecer rapidamente, as com fase longa podem responder à perda de habitat em escala centenária.

"Hoje, temos evidências de que não adianta restaurar em qualquer lugar. É preciso definir áreas prioritárias para restauração que otimizem a conectividade e facilitem o fluxo biológico entre os fragmentos", defendeu Metzger.

Da Agência Fapesp

Do UOL Notícias