Notícia

Jornal do Commercio (RJ)

Centro de pesquisa recebe apoio dos EUA

Publicado em 05 fevereiro 2005

O Centro de Pesquisas René Rachou (CPqRR), da Fiocruz, em Belo Horizonte, anunciou que receberá US$ 1,2 milhão dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH), dos EUA, para desenvolver o banco de dados genômico do Schistosoma mansoni.
Os recursos serão disponibilizados em cinco anos, por meio do Centro Internacional Fogarty. Segundo o CPqRR, o dinheiro será utilizado na "formação de know-how e de infra-estrutura para criar um banco de dados, disponível pela Internet, para pesquisadores de todo o mundo, com informações sobre dados genômicos e pós-genômicos do agente da esquistossomose".
A doença afeta 200 milhões de pessoas em 52 países. No Brasil, a área endêmica abrange 19 estados, com cerca de 26 milhões de habitantes expostos ao risco, conforme dados da OMS.
De acordo com o coordenador do projeto no Brasil, Guilherme Oliveira, o banco de dados permitirá pesquisas simples ou complexas e ainda possibilitará que especialistas acrescentem novas informações sobre o assunto.
Dados de pesquisas desenvolvidas em todo o mundo sobre o S. mansoni serão disponibilizados, inclusive os gerados dentro da Rede do Genoma do Schistosoma. O coordenador do projeto acredita que até julho a primeira versão do banco de dados já estará disponível pela Internet.
Segundo Oliveira, grande parte dos recursos do NIH será aplicada diretamente no Brasil na estruturação do projeto e em treinamentos. O restante será utilizado na parceria com a Universidade da Geórgia para promover o treinamento de pesquisadores do CPqRR no exterior. (Agência FAPESP)