Notícia

UNOESTE - Universidade do Oeste Paulista

Centro de Estudos oferece recursos para diferentes pesquisas

Publicado em 19 março 2012

Com a proposta de oferecer um ambiente apropriado para diferentes pesquisas, desde 2011 a Unoeste conta com o Centro de Estudos Avançados em Bioenergia e Tecnologia Sucroalcooleira (Centec). O instituto especializado, único no Pontal da Paranapanema, funciona no Centro de Tecnologia de Alimentos (CTA), campus II. Surgiu a partir da aprovação de dois projetos, ambos de autoria do professor e diretor do Centec, doutor Tadeu Alcides Marques, pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

As pesquisas, desenvolvidas com a colaboração de alunos da graduação e do mestrado em Agronomia, bem como do curso superior de tecnologia em Produção Sucroalcooleira, estão previstas para terminarem no final deste semestre. Com a finalização, o diretor pontua que o Centec poderá receber novos estudos e firmar parcerias externas. "Atualmente temos três cursos cadastrados: Agronomia, Produção Sucroalcooleira e Ciências Biológicas. O espaço é da universidade e dispõe de excelentes equipamentos".

Conforme o regimento, uma de suas finalidades é "desenvolver e promover o conhecimento das ciências de bioprocessos e ambientais e as relações entre elas, por meio do Ensino, Pesquisa e Extensão". O diretor destaca que "o Centro de Estudos é apenas um embrião", porque há intenção do prédio e as ações serem ampliados. "Tem condições de dar apoio a pesquisas de graduação e pós-graduação, desde que cadastradas na Coordenadoria Central de Pesquisa (CCPq) da Unoeste", registra Marques.

"O instituto foi criado neste sentido, para dar suporte a pesquisas nas diferentes áreas", reforça. Ele discorre que uma empresa que deseja fazer pesquisa pode procurar o local. "Temos equipamentos de última geração, professores especialistas e alunos que podem dar todo o auxílio".

Com as parcerias externas, segundo o diretor, ocorrerá o aumento de pesquisas e participação de alunos, além da ampliação de vagas de estágios nas empresas. "Para a comunidade, os benefícios também são diversos, até porque o Centro de Estudos é para atender anseios do coletivo. Podemos solucionar inúmeros problemas por meio de pesquisas, já que estamos numa região onde predomina a agricultura e a pecuária".

A instituição que firmar parceria com o Centec poderá ter um representante no conselho consultivo e participar de decisões. "Para iniciar qualquer estudo é necessário aprovação dos conselhos. Além disso, se a pesquisa estiver relacionada à medicina, por exemplo, teremos a colaboração do professor da área que irá coordenar o projeto. Se a empresa quiser contratar um pesquisador especialista no assunto e apenas utilizar o local da Unoeste, terá livre escolha", explana.

Composição - Marques explica que o instituto é composto por conselho diretor, com a representação de professores de diversos cursos, dirigentes do Centec e pró-reitorias; e conselho consultivo, que tem como membros professores pesquisadores, representação de discentes e parceiros externos, que podem ser empresas, Organizações Não Governamentais (ONGs), poder público e outras instituições.

Projetos - "Energia do palhiço, influência no crescimento vegetativo e na qualidade tecnológica da cana, em dois sistemas de plantio com doses crescentes de hidrogel" é o estudo financiado pela Fapesp. Já o CNPq está vinculado à pesquisa "Crescimento vegetativo e maturação e produtividade da cana-de-açúcar, variedade RB 87515, em função do manejo do solo tratado com polímeros". O primeiro tem como foco a avaliação da produção de bioenergia; o segundo faz uma avaliação da energia contida na cana.