Notícia

A Cidade On (São Carlos, SP)

Celular preso ao pé pode ajudar a detectar doenças neurológicas

Publicado em 26 janeiro 2021

Estudo está sendo realizado na Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP; confira

Imagine um dia utilizar um aplicativo de celular capaz de monitorar e identificar possíveis anomalias na caminhada de uma pessoa, auxiliando profissionais da saúde no diagnóstico ou tratamento de alguma doença, como Parkinson e Alzheimer, enfermidades que podem afetar a capacidade de locomoção de um indivíduo.

O primeiro passo para o desenvolvimento de uma tecnologia como essa foi dado em um estudo que está sendo conduzido na Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP que pretende tornar esse tipo de avaliação mais simples, barata e precisa.

A ideia dos pesquisadores é realizar a tarefa utilizando os chamados sensores inerciais, que são encontrados no interior de smartphones (são eles que permitem a tela girar conforme o aparelho é virado). Responsáveis por medir grandezas como aceleração e velocidade, esses sensores podem ser conectados a aplicativos e gerar dados que permitam avaliar se cada movimento da passada humana está sendo feito corretamente. "Além de identificar parâmetros alterados nos passos por conta de uma eventual patologia, esses sensores poderiam ser aplicados para monitorar a evolução do paciente durante um tratamento de recuperação motora a partir de métricas previamente definidas, auxiliando o médico a tomar suas decisões", explica Francisco Ambrosio Garcia, autor da pesquisa, que faz parte de seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), e estudante do curso de Engenharia Elétrica da EESC.

Atualmente, os sensores inerciais são utilizados de forma avulsa para esta finalidade, acompanhados de equipamentos específicos, que não estão disponíveis para a população em geral, do uso de câmeras, sensores de pressão e da infraestrutura de laboratórios especializados, tornando o processo mais caro e complexo. "O diferencial do meu trabalho foi que eu aproveitei os sensores que já estão embutidos em todos os aparelhos celulares modernos para fazer esse mapeamento. Isso pode permitir que, no futuro, o sistema de acompanhamento seja desenvolvido apenas como um aplicativo que o paciente instalaria no celular, eliminando a necessidade de adquirir novos dispositivos, que muitas vezes têm alto custo", explica o jovem.

Sensores inerciais avulsos tornam o processo de análise de caminhada mais caro e complexo. Francisco Ambrosio Garcia/Arquivo pessoal

Para testar a nova abordagem, Francisco teve a ideia de amarrar um smartphone em um de seus pés para que os movimentos da caminhada fossem obtidos. Os dados eram enviados para um aplicativo disponível em sistemas Android e automaticamente repassados para o laptop do estudante, onde ele pôde interpretar as informações: "A solução que eu encontrei, embora pareça precária, obteve resultados comparáveis a trabalhos já existentes que utilizam equipamentos disponíveis em laboratórios especializados. Os resultados foram bastante promissores e abrem caminho para trabalhos futuros", afirma o aluno, que teve a ideia a partir das condições impostas pela pandemia do novo coronavírus, que demandou o isolamento social e comprometeu a presença de estudantes nos laboratórios da USP. Nos próximos passos da pesquisa, Francisco pretende investigar se é possível realizar o mesmo tipo de monitoramento com o celular dentro do bolso.

Outra vantagem de utilizar apenas o celular para obter os dados dos pacientes é que o acompanhamento remoto do usuário seria facilitado, permitindo que as informações sejam coletadas de forma contínua e enviadas a um profissional da saúde. "Os atuais sistemas de reabilitação e acompanhamento a distância de pacientes ainda não são tecnologias maduras e, embora existam alguns sistemas pontuais de telereabilitação no Brasil, na grande maioria dos casos o paciente precisa se deslocar até um laboratório ou clínica especializada para fazer a coleta dos dados", explica.

Formação e experiência - O estudante teve o primeiro contato com a ciência logo no primeiro ano de graduação, quando realizou iniciação científica (IC), com bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Ele foi orientado por Marco Henrique Terra, professor do Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação (SEL) da EESC e coordenador do INCT-SAC. "A IC permitiu que eu aprendesse métodos científicos e me proporcionou o contato com pesquisadores de diversas nacionalidades, o que, culturalmente, enriqueceu muito minha vivência na graduação", conta.