Notícia

Jornal do Commercio Brasil (SP)

Celso Lafer toma posse na Fapesp

Publicado em 27 setembro 2007

Por Da redação, com governo do Estado

Ex-ministro defende autonomia e repasse de verbas

O governador José Serra participou ontem da cerimônia de posse do novo presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Celso Lafer. O ex-ministro e imortal da Academia Brasileira de Letras assume o posto antes ocupado por Carlos Vogt, hoje secretário estadual de Ensino Superior. "A Fapesp faz uma grande contribuição para São Paulo e para o Brasil. É um instituto cientifíco de altíssima qualidade, um orgulho para todos nós pode abirgar e fortalecer a Fapesp", observou o governador.

Para o novo presidente da fundação, "a chave da qualidade do bom funcionamento da Fapesp está alicerçada em três fatores: a autonomia, o repasse de recursos realizados com pontualidade pelo Poder Executivo e a interação constante e em rede da fundação com a comunidade acadêmica, que são os stake holders do processo, desde a origem da instituição."

Celso Lafer nasceu em São Paulo no dia 7 de agosto de 1941. É formado em direto pela USP e tem PhD em ciência política pela universidade americana de Cornell. Foi ministro de Relações Exteriores em 1992 e de 2001 até o final do governo do presidente Fernando Henrique Cardoso. Em 1999, foi ministro do Desenvolvimento.

No ano de 1989, Celso Lafer ganhou o Prêmio Jabuti, concedido pela Câmara Brasileira do Livro, pela obra "A reconstrução dos direitos humanos". Lafer também é autor do livro "Ensaios Liberais" e é tradutor da pensadora Hanna Harendt.

O evento contou com a presença do Secretário Estadual de Desenvolvimento, Alberto Goldman, do secretário-chefe da Casa Civil, Aloysio Nunes Ferreira Filho, da reitora da USP, Suely Vilela, e do prefeito da capital, Gilberto Kassab.

A Fapesp é uma das principais agências de fomento à pesquisa do País e tem por objetivo promover o desenvolvimento científico e tecnológico do estado. A fundação concedeu nos últimos dez anos 110 mil bolsas e auxílios à pesquisa científica e tecnológica. Entre 2005 e 2007, o total de recursos para financiamento de projetos cresceu 32%.

Dos quase R$ 522 milhões desembolsados no ano passado, R$ 150 milhões foram destinados a bolsas de estudo, R$ 224 milhões a auxílios à pesquisa e R$ 148 milhões para programas especiais - sendo que destes, R$ 72,3 milhões foram aplicados em pesquisas para inovação tecnológica.