Notícia

Vitruvius

Casa das Rosas apresenta leitura do livro-objeto de Betty Leirner "Les Etres Lettres"

Publicado em 25 setembro 2008

A artista e poeta Betty Leirner apresenta, pela primeira vez no Brasil, a leitura de seu livro-objeto incolor "Les Etres Lettres" (Os Seres Letras), que propõe o encontro de diversas línguas sintetizando-as em palavras-conceito, com a participação das convidadas Lucia Santaella e Leda Tenório da Motta. “A obra dissolve a palavra escrita ao fusioná-la com o suporte da imagem, possibilitando uma visualização do invisível”, afirma Leirner.

Segundo Ursula Keller, diretora da Casa da Literatura de Hamburgo, Les Etres Lettres formula uma recusa transparente ao sólido preto sobre branco das páginas impressas, numa tentativa de trazer a materialidade compacta de nossos livros para a sua essência imaterial. “Na contramão da progressiva industrialização do ver e do ouvir, na contramão da excessiva quase que obscena visibilidade das coisas e do acesso terrorista às imagens e símbolos, é translúcida a matéria da qual são feitos estes livros”, completa.

O texto multilingüe foi escrito entre 1980 e 1989 e realizado manualmente em São Paulo, em edição de autor, com 36 exemplares, de 44 páginas. Betty Leirner já fez leituras solo deste trabalho na Literaturhaus de Hamburgo, Literaturhaus de Viena e na Feira de Livros de Frankfurt. Les Etres Lettres participou ainda de exposições como “Fronteiras do Vazio”, com a curadoria de Márcio Doctors, no MAM de São Paulo, e “Chimériques Polymères”, no Museu de Arte Contemporânea de Nice, na França.

Sobre a autora

Betty Leirner trabalha desde os anos setenta na elaboração da síntese entre os conceitos e as linguagens. Graduada em Cinema pela Escola de Comunicações e Artes da USP, vive desde 1981 principalmente na Alemanha, onde faz leituras de seus textos plurilingües e peças sonoras para rádio. No MASP, participou em 1976 de sua primeira exposição coletiva. Em 1978, no mesmo Museu, lançou squares of light, primeiro livro e primeira exposição individual. Em 1987, no Museu de Arte Contemporânea da USP participou de Palavra Imágica, mostra de artistas visuais que utilizam a palavra como elemento plástico e poetas que exploram a organização visual do texto como elemento de significação.

Sobre as participantes

Lucia Santaella é professora titular da PUC-SP com doutoramento em Teoria Literária na PUC-SP, em 1973, e Livre-Docência em Ciências da Comunicação na ECA/USP, em 1993. É Diretora do CIMID, Centro de Investigação em Mídias Digitais, da PUC-SP e fundadora do "CS games", Grupo de Pesquisa em Games e Semiótica da PUC-SP. Possui aproximadamente 40 livros publicados, entre eles os clássicos: O que é Semiótica? (Brasiliense, 1983) e Cultura e Artes do Pós-Humano (Paulus, 2003). Recebeu o Prêmio Jabuti pela obra Matrizes da Linguagem e do Pensamento (Iluminuras 2002).

Leda Tenório da Motta é professora no Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica da PUC-SP, pesquisadora do CNPq, crítica literária e tradutora; traduziu para o português No principio era o Amor de Julia Kristeva. Entre suas diversas publicações destacam-se: Sobre a crítica literária brasileira no último meio século (Imago, 2003), Céu acima – para um tombeau de Haroldo de Campos (Perspectiva, 2005), Francis Ponge, O objeto em Jogo (Fapesp/Iluminuras 2007) e Proust – a violência sutil do riso (Perspectiva, 2007) que acaba de receber o Prêmio Jabuti como o Melhor Livro de Teoria/Crítica Literária.

Data e horário: 30 de setembro, às 20h; Local: Casa das Rosas, Av. Paulista, 37, Paraíso, São Paulo SP, 11.3285-6986 / 3288-9447