Notícia

VDI Brasil

Casa construída com rejeitos da mineração

Publicado em 01 abril 2016

Soluções para os rejeitos de mineração como aqueles que provocaram o acidente em Mariana, da barragem da empresa Samarco, foram apresentadas por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Sob a coordenação dos professores Evandro da Gama e Abdias Gomes, eles conseguiram construir uma casa com 46 metros quadrados (m2) com produtos originados de rejeitos e estéreis da mineração de ferro. O rejeito é o que sobra do processamento do minério de ferro e o estéril são rochas que ficam junto com o itabirito, a rocha que contém o minério.Os dois materiais costumam ser estocados nas barragens.

“Tirando telhas, vidros, pisos internos e portas, tudo pode ser feito com os materiais que sobram da mineração”, diz Evandro. “Nós desenvolvemos um forno de calcinação chamado Flex, que calcina a poeira e a transforma em micropartículas que depois serão transformadas em areia, blocos, vigas, pedra e cimento para a construção civil”, explica o pesquisador.

Evandro coordena o Laboratório de Geotecnologias e Geomateriais do Centro de Produção Sustentável da UFMG, em Pedro Leopoldo (MG). Ele garante que o aproveitamento dos rejeitos e dos estéreis tornaria desnecessárias as grandes barragens não só da mineração de minério de ferro como também de bauxita, ouro, fosfato e calcário. Outra vantagem é que o material rejeitado processado e utilizado na construção civil deixa as casas menos quentes e com paredes que absorvem menos água.

Com informações da FAPESP