Notícia

O Estado do Maranhão online

Cartilha indica atividades para crianças com deficiências motoras na pandemia

Publicado em 19 abril 2020

Material, elaborado por pesquisadores da UFSCar e da USP, dá orientações para o período de distanciamento social

Como ajudar crianças com deficiências motoras a vivenciarem os dias de distanciamento social? De que forma é possível inseri-las nas atividades diárias de casa? Essas e outras perguntas são respondidas na cartilha "Minimizando o efeito do isolamento social de crianças com deficiências motoras: como estimular seu filho na participação das atividades diárias". O material foi produzido por estudantes e docentes dos departamentos de Fisioterapia (DFisio) e Terapia Ocupacional (DTO) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da Universidade de São Paulo (USP).

As crianças e adolescentes com deficiências integram grupo de risco para complicações de saúde. Em virtude da pandemia do novo Coronavírus, os pesquisadores afirmam que é preciso ter mais atenção a esse público para que o distanciamento social não seja entediante e desmotivador. Diante disso, as organizadoras do material destacam que a participação das crianças e adolescentes nas atividades de casa é importante por estimular o desenvolvimento da autonomia, o aumento do vínculo familiar e a diversão.

A cartilha traz propostas de atividades que ajudarão as famílias a integrar as crianças e adolescentes com deficiências ao dia a dia de seus lares. As ideias envolvem a participação no preparo da alimentação, na organização do quarto, no autocuidado, na escolha vestuário etc. Além disso, tem sugestões de brincadeiras para incentivar a mobilidade e trabalhar a postura corporal.

O material será disponibilizado às famílias atendidas na Unidade de Saúde Escola (USE) da UFSCar, em associações e entidades que atendem pessoas com deficiências e para o público geral, por meio de mídias sociais. O acesso é gratuito e pode ser feito no endereço https://bit.ly/3ad6GCY.

A elaboração do guia teve apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).