Notícia

Jornal da Unesp

Canais da Universidade com a escola pública

Publicado em 01 setembro 2011

Por Daniel Patire

A Fundação para o Vestibular da Unesp (Vunesp) abriu as inscrições para o Vestibular 2012 da Universidade. O interessado em concorrer a uma das 6.629 vagas em 156 opções de curso oferecidas em 19 cidades do Estado de São Paulo pode se inscrever pelo site da Fundação " (www.vunesp.br), de 5 de setembro a 7 de outubro. O valor da taxa de inscrição é de R$ 110,00. Os alunos de último ano de ensino médio de escolas públicas paulistas (Secretaria da Educação do Estado e Centro Paula Souza) e também de Educação de Jovens e Adultos (EJA) terão redução de 75% do valor da taxa, pagando R$ 27,50.

As provas serão aplicadas em duas etapas: a primeira no dia 6 de novembro; a segunda, em 18 e 19 de dezembro. "A expectativa é de um aumento no número de candidatos, como vem acontecendo nos últimos anos", assinala o diretor presidente da Vunesp, professor Elias José Simon. Em 2009, o processo seletivo teve 76.518 candidatos e, no ano passado, 80.319 — uma expansão de 5% no total de inscritos.

Inclusão - Simon também espera que o número de estudantes das escolas públicas continue a crescer entre os aprovados. Em 2041, 2.545 das 6.507 matrículas (ou seja, 39%) foram de egressos da rede estadual de ensino. Esse número representa um acréscimo de 11,7% em comparação com 2010, quando houve 2.278 alunos vindos da escola pública, ou 36% das 6.429 matrículas daquele ano.

Desde 2006, o índice de matriculados egressos do sistema gerido pela Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (SEE) estava entre 36%-e 36,6%. O resultado deste ano é fruto de diversas açõés realizadas pela Vunesp e pela Unesp, segundo a diretora acadêmica da Fundação, professora Tânia Cristina Arantes Macedo de Azevedo.

Tânia destaca que, no processo de 2010, o exame passou de uma para duas fases e adotou os Cadernos do Professor e do Aluno utilizados nas escolas ligadas à SEE. "Assim, o aluno da rede pública se sente acolhido, pois sabe que, se estudar aquele material, tem condições de ingressar na universidade", diz.

No entanto, para a dirigente, a principal mudança do vestibular está no foco de avaliação. A nova prova considera a capacidade de leitura e interpretação do estudante. Assim, as questões do conteúdo específico, como Física, Química e Sociologia, são relacionadas a textos retirados de mídias como revistas científicas, jornais, internet e anúncios. "No caso do aluno que tem deficiência de conteúdo, a Universidade consegue suprir essa carência, nas suas disciplinas de formação básica", explica Tânia. "Agora, se não tem o hábito do estudo, não gosta de ler e não é crítico, ele não progride e não tem o espírito para desenvolver atividades de pesquisa e extensão."

Parceria - Para ampliar o contingente de jovens da escola pública em seus quadros, a Unesp firmou com a Vunesp e a SEE um acordo que resultou no Programa para a Inclusão dos Melhores Alunos da Escola Pública na Universidade. A iniciativa garante, desde 2009, a taxa subsidiada para as inscrições no vestibular e o fornecimento de bolsas de estudo para os quatro melhores vestibulandos da rede pública classificados em cada grande área do saber — Biológicas, Exatas e Humanidades.

Na opinião de Tânia o programa é uma solução preferível às políticas de cotas — que se caracterizam, por exemplo, pela definição de um porcentual de vagas para alunos negros ou carentes. A diretora acadêmica enfatiza que se formaram, de 2010 para 2011, cerca de 460 mil alunos em escolas estaduais públicas. "A questão de cotas atende, se considerarmos o número de vagas das universidades públicas, um percentual muito pequeno dos formados", afirma. "Com esse subsídio, podemos atingir a todos, que podem se inscrever em nosso vestibular."

Aluna no curso de Design da Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Campus de Bauru, Naiane Quirino de Biazi foi uma das 12 contempladas com bolsa de estudo, no último vestibular. Ela sempre cursou a escola pública de Ouroeste (SP), sua cidade natal. E para fazer a prova da Unesp, estudou apenas com os cadernos do ensino médio. "Eu participava de um grupo de estudos, e também estudava sozinha em casa, resolvendo os exercícios", recorda.

Divulgação - Uma outra ação voltada para os alunos da rede pública é o Programa de Divulgação do Vestibular da Unesp. Há 15 anos, representantes da Universidade vão às classes do última ano do ensino médio apresentar os 164 cursos de graduação, os programas de apoio à permanência estudantil e a possibilidade de atuação em projetos de extensão e de pesquisa, além de distribuir o Guia de Profissões. (Veja boxe.)

E o programa tem obtido bons resultados. No vestibular de fim de ano de 2009, 32.889 inscritos (o equivalente a 43%) eram oriundos das escolas públicas. Já no ano passado foram 38.000, cerca de 47% do total. "Durante nossa visita, percebemos que muitos alunos, antes desestimulados, passam a cogitar a continuidade de seus estudos em uma universidade", afirma o coordenador do programa, professor Guaracy Tadeu Rocha.

O trabalho de divulgação envolve 89 professores e 83 estudantes da graduação. A atividade é desenvolvida de agosto a setembro, para anunciar a abertura do período de inscrições. E, desde 2008, ela é precedida de uma videoconferência com a participação das 91 diretorias de Ensino, com um público médio de 1.500 supervisores de ensino, diretores de escolas e professores coordenadores de oficinas pedagógicas.

Nessa reunião, diretores da Vunesp e membros da secretaria esclarecem sobre o trabalho de divulgação e preparam as escolas para receberem os divulgadores. "Como o material fica disponível na videoteca da Rede do Saber da secretaria (http://www. rededosaber. sp.gov. br/portais/Videoteca/tabid/ 179/language/pt-BR/Default.aspx), acreditamos que essa informação chega a um público bem maior", salienta Rose Louback, assessora técnica da Coordenadoria da Estudos e Normas Pedagógicas da SEE. Neste ano, a videoconferência foi realizada no dia 8 de agosto, com a presença do secretário da Educação Herman Jacobus Cornelis Voorwald.

Este ano, as visitas incluem também salas do 2o ano de ensino médio. Com isso, espera-se o contato com cerca de 400 mil alunos, ou mais de 70% de matriculados na rede da SEE. Desde a implantação do programa, em torno de 3,2 milhões de alunos receberam um professor da Unesp em suas escolas. No último ano, houve um salto significativo no número de alunos atendidos: de 277.688 para 383.116. Isso ocorreu devido a mudanças na execução do projeto: ampliação do período de visitas às escolas; expansão do número de professores e alunos da Unesp que participam do Programa, o que permitiu ampliar o número de escolas visitadas; e adequações na distribuição do Guia de Profissões.

Para Rocha e Rose, o grande mérito da divulgação é permitir que os alunos do ensino médio conversem com um estudante da Universidade, que em muitos casos cursou o mesmo colégio. Os divulgadores são ex-alunos das escolas públicas e recebem bolsas da Pró-Reitoria de Extensão Universitária (Proex). "A participação dos professores foi de extrema eficiência, assim como a do aluno da Unesp, como forma de mostrar a realidade da Universidade e seus projetos de manutenção do estudante no curso, como o auxílio moradia", conta Sandra Balduíno Carvalho, aluna do 2.° ano do curso de Nutrição do Instituto de Biociências, Câmpus de Botucatu, que estudou na rede pública, recordando o contato que teve com os divulgadores.

As informações sobre o Programa de Permanência Estudantil, da Proex, que oferece bolsas, auxílio-aluguel, auxílio-alimentação e moradia estudantil, em algumas unidades universitárias, são de grande importância para muitos jovens, segundo a assistente técnica da SEE. "Eles estão em uma faixa econômica muito baixa, e muitas vezes não prestam uma universidade por acharem que não têm condições de se manter", diz.

Neste ano, a Pró-reitoria distribui cerca de 1.300 bolsas a estudantes carentes. (Veja a distribuição das bolsas no quadro 2.) "Todas essas opções favorecem muito os alunos, que veem que é possível fazer a universidade, mesmo que seja em uma outra cidade", acentua a pró-reitora de Extensão Maria Amélia Máximo de Araújo. "Temos casos de estudantes que ainda moram na casa dos pais, e a bolsa de estudo compra a alimentação da família."

Cursinhos pré-vestibulares

Para uma melhor preparação para os exames de seleção, a Unesp oferece cursinhos pré-vestibulares para alunos da rede pública de ensino e de baixa renda. O projeto, vinculado à Proex, soma 4.800 vagas em 30 unidades de ensino. As aulas são dadas por estudantes da graduação e voltadas para os vestibulares de instituições públicas e particulares. "Aproximadamente 20% dos alunos dos cursinhos entram em vestibulares de universidades públicas", ressalta Maria Amélia. "Outros 25% entram em faculdades particulares, por meio do Proune."

No último vestibular da Universidade, o desempenho dos cursinhos foi superior aõ-das escolas particulares, segundo pesquisa da Vunesp. O porcentual de alunos aprovados (349) em relação ao número de inscritos (2.871) foi de 12,15% de aproveitamento. Já as escolas particulares tiveram 3.961 alunos matriculados, de 42.300 inscritos, ou 9,36%. "Essa iniciativa tem um caráter de política de inclusão, pois possibilita ao aluno de baixa renda se preparar melhor para os exames", destaca o diretor presidente da Vunesp.

Formação de professores

A Unesp tem trabalhado para a formação continuada dos professores das escolas públicas como um mecanismo de inclusão, segundo a reitora Sheila Zambello de Pinho, da Pró-Reitoria de Graduação (Prograd). "De modo diferente das outras instituições que têm a política de cotas, definimos que nossa forma de atuação seria na capacitação dos professores do ensino fundamental e médio, para que os alunos provenientes dessas escolas pudessem ter uma maior competitividade no acesso a nossa Universidade", explica.

"Entre os projetos, Sheila destaca o curso de graduação semipresencial de Pedagogia promovido em parceria com a UniVesp (Universidade Virtual do Estado de São Paulo). Essa proposta do governo do Estado, mantida conjuntamente com Unesp, USP e Unicamp, oferece 1.300 vagas para professores em exercício na rede pública de educação básica. O objetivo é garantir formação superior a esses profissionais".

Outra iniciativa é o Plano Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica (Parfor), realizado com o governo federal, por meio da Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), com a coordenação da Prograd. Ele é voltado para professores em exercício sem diploma universitário. Com 2.000 vagas este ano, o curso é dado por cinco unidades universitárias que têm o curso de Pedagogia. No ano que vem, serão mais 200 vagas.

Em parceria com a SEE, a Unesp oferece ainda cursos de especialização (pós-graduação lato sensu), com um ano de duração, em Língua Inglesa, Filosofia, Arte, Química e Geografia, pelo programa Rede São Paulo de Formação Docente (Redefor). Para o triénio 2010-2011-2012, estão sendo abertas 5.750 vagas. A Pró-Reitoria de Pós-Graduação (Propg) é a responsável por esse programa.

NÚcleos - Rose Louback, da SEE, ressalta também o trabalho realizado pelo programa de Núcleos de Ensino, da Prograd. Criada em 1988, a proposta estabelece uma colaboração entre a Universidade e as escolas da rede pública para a formação continuada dos professores e o desenvolvimento de pesquisas em educação.

Em cada projeto, os docentes da rede e da Universidade elaboram um modelo para intervir em alguma deficiência do ensino de uma disciplina específica, criando vínculos entre professores e alunos dos dois universos. "Os núcleos contemplam a formação continuada dos professores e também trabalham diretamente com os alunos da rede pública, ação que é muito importante para abrir novas perspectivas para esses jovens", ressalta. Em seu 23.° ano, o projeto envolve cerca de 190 ações em escolas, promovidas em 13 unidades universitárias.

A diretora acadêmica da Vunesp Tânia de Azevedo ressalta a associação das várias ações da Vunesp e da própria Universidade. "Tudo isso faz com que o aluno da escola pública se sinta muito mais competitivo, participando do processo de ingresso no ensino superior com muito mais seriedade e motivação ", conclui.

Ensino de qualidade

A Unesp terá grande satisfação em receber você como aluno. Sei que prestar vestibular é um grande desafio não só para o estudante, mas também para seus pais e familiares, que atuam muito neste período pré-vesti-bular para que a almejada aprovação se torne uma realidade.

Nossa Universidade, além de pública de excelente qualidade e gratuita, tem características diferentes. Ela se distribui em todo Estado de São Paulo. Estamos em 23 municípios paulistas, com 32 faculdades, e temos quase 48 mil alunos, 35 mil deles na graduação e 13 mil na pós-graduação. Oferecemos 171 cursos de graduação nas áreas de Biológicas, Exatas e Humanidades e temos 115 cursos de pós-graduação, que reúnem mestrados e doutorados.

Somos uma universidade reconhecida nacionalmente e, no plano internacional, a Unesp é a sexta universidade ibero-americana e está entre as 200 melhores nos principais rankings mundiais. Estamos muito focados na manutenção do aluno na instituição. Para isso, temos um Programa de Permanência Estudantil. Trabalhamos para dar condições para que o aluno carente não apenas entre na universidade, mas nela se mantenha durante todo o curso. Pará isso, oferecemos bolsas por meio das diferentes pró-reitorias, como Graduação, Pesquisa e Extensão.

Também existem as oferecidas em parceria com órgãos externos como a Fapesp - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - e o relação ao número de inscritos (2.871) CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Há também a bolsa de mobilidade estudantil, que facilita a manutenção do estudante no Exterior.

Espero que você tenha sucesso em nosso Vestibular para aproveitar tudo o que a Unesp tem de melhor para oferecer, pois, com certeza, a vida universitária é uma das melhores fases de nossa vida.

Julio Cezar Durigan, vice-reitor no exercício da reitoria, é engenheiro agrônomo e professor do Departamento de Fitossanidade da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Campus de Jaboticabal.

Este texto foi escrito para a apresentação do Guia de Profissões 2012.