Notícia

Revide

Canabidiol diminui agressividade, conclui estudo feito na USP de Ribeirão Preto

Publicado em 24 julho 2019

Por Peter Moon  |  Agência FAPESP

Nova pesquisa da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto mostrou os efeitos positivos da substância e foi publicada em revista internacional

Um novo estudo da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto sobre o canabidiol mostrou que a substância extraída da maconha contribui para diminuir a agressividade induzida pelo isolamento social. Os resultados do trabalho foram publicados na revista Progress in Neuro-Psychopharmacology and Biological Psychiatry.

Francisco Silveira Guimarães, professor titular da FMRP-USP e líder do estudo, explica que a agressão induzida pelo isolamento é um modelo comportamental clássico usado em experimentos. “A agressão induzida pelo isolamento pode ser atenuada por meio da administração de drogas ansiolíticas, antidepressivas ou antipsicóticas. Como alguns resultados pré-clínicos e clínicos indicam que o canabidiol possui tais propriedades, decidimos testar seu efeito sobre a agressividade induzida”, disse Guimarães em entrevista à Agência Fapesp.

“Nosso estudo demonstra que o canabidiol tem efeito na redução da agressividade e que a substância realiza o papel de inibidor devido ao fato de facilitar a ativação de dois receptores: o receptor 5-HT1A, responsável pelos efeitos do neurotransmissor serotonina, e o receptor CB1, responsável pelos efeitos de endocanabinoides”, explica.

Apesar de extraído da maconha, Guimarães ressalta que o canabidiol não produz dependência nem efeitos psicotomiméticos. Na maconha, a substância responsável por isso é o tetraidrocanabinol (THC), enquanto que com o canabidiol ocorre o oposto: ele exerce ação bloqueadora sobre alguns efeitos do THC. “Nos últimos 20 anos, o canabidiol tem sido estudado em diversos contextos, porém são poucos os estudos que investigaram seus efeitos em comportamentos agressivos”, disse Guimarães.

Foi usado um modelo chamado de residente-intruso, condição que induz agressividade em animais em decorrência do seu isolamento por vários dias. Com o objetivo de verificar se o canabidiol exerceria alguma ação capaz de alterar o comportamento agressivo apresentado por roedores no modelo residente-intruso, os pesquisadores injetaram diferentes dosagens de canabidiol em quatro grupos distintos de animais, compostos por seis a oito roedores machos.

O novo estudo também contou com cientistas do Núcleo de Apoio à Pesquisa em Neurociência Aplicada da USP e foi feito no âmbito do Projeto Temático “Novas perspectivas no emprego de fármacos que modificam neurotransmissores atípicos no tratamento de transtornos neuropsiquiátricos”, com apoio da FAPESP – a pesquisa também tem apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).