Notícia

Invest News online

Campanha científica para investigar nuvens "quentes" começará em Fortaleza

Publicado em 30 março 2011

Durante o mês de abril, será realizado o primeiro experimento de uma série de sete do Projeto Chuva, sob coordenação geral do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). A campanha científica, com base em Fortaleza (CE) e organizada pela Fundação Cearense de Meteorologia (Funceme), pretende coletar dados de nuvens "quentes", típicas de regiões tropicais, que evoluem sem formar partículas de gelo em seu interior.

As nuvens quentes, presentes nas diferentes regiões do país, estão associadas às chuvas fortes e contínuas. Costumam provocar deslizamentos de encosta e enchentes, como as que ocorreram nos últimos anos em Santa Catarina, Rio de Janeiro, Alagoas e Pernambuco. Chuvas provocadas por nuvens quentes não são consideradas nas estimativas de precipitação dos atuais satélites em órbita, uma das principais preocupações do projeto, segundo o pesquisador do CPTEC/Inpe, Luiz Augusto Machado, coordenador principal do Chuva (http://chuvaproject.cptec.inpe.br/portal/br/).

Luiz Augusto Machado estará presente, na sexta-feira, 1º de abril, às 9 horas, ao lançamento da primeira radiossonda do experimento de Fortaleza, na estação meteorológica do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), localizada na Avenida da Saudade, 3344, no Passaré (por trás do Cemitério Parque da Paz). Este lançamento abrirá a programação do mês de campanha científica na Capital cearense.

Além da Estação do Inmet, durante o mês de abril, o projeto Chuva terá medições diárias em diversos locais da Região Metropolitana de Fortaleza. Na estação meteorológica do PICI, na estação do CPTEC no Eusébio, no Centro de Treinamento da Ematerce, em Caucaia, na sede da Defesa Civil - Bairro Rodolfo Teófilo, na Uece e no Centro de Pesquisas do Labomar - Porto das Dunas.

Além disso, para ajudar o experimento, a Funceme começará a utilizar as informações do Radar Banda S, instalado em Quixeramobim, que vai operar em fase de testes.