Notícia

Diário de Natal

Calor excessivo aumenta risco de contrair pedras nos rins

Publicado em 17 outubro 2004

Uma tese de doutorado defendida na Escola Paulista de Medicina (epm), da Universidade de São Paulo (Unifesp), mostra que trabalhadores de ambientes com calor excessivo, como operários da indústria siderúrgica, cozinheiros, motoristas e vendedores ambulantes, apresentam um índice nove vezes maior de contrair pedra nos rins. Por meio de análises do prontuário médico, foram avaliadas as condições físicas de mais de 10 mil funcionários de uma siderúrgica na cidade do Rio de Janeiro, no período de março de 1999 a dezembro de 2002. Segundo o estudo, dos 1.289 trabalhadores das áreas com temperaturas elevadas, cerca de 8% apresentaram pelo menos um episódio de cálculo renal. Já entre os 9.037 expostos à temperatura ambiente o índice foi bem menor: 086%. A pesquisa foi orientada por Valdemar Ortiz, professor da disciplina de Urologia da Unifesp. "A falta de hidratação é a principal causa da doença conhecida como litíase", explicou à Agência Fapesp o autor da tese, Luiz César Atan, professor de eurologia de Medicina de Volta Redonda, no Rio de janeiro. "Os trabalbadores perdem muito líquido pelo suor, causando uma desidratação (crônica e a formação de cálculos renais." Atan explica que os funcionários ficam expostos a temperaturas de até 80ºC, durante até dez anos de trabalho. Com a falta de água no organismo, a urina se torna muito conceituada propiciando a formação dos cálculos. De acordo com o urologista, a principal maneira de evitar o problema seria diminuir a exposição às altas temperaturas. "Isso é mais difícil, pois o calor muitas vezes é inerente ao próprio trabalho", reconhece. Como forma de prevenção, uma alternativa seria manter os funcionários bem hidratados. "O ideal é promover trabalhos de conscientização na própria empresa, com a utilização de bebedouros com água em tem peratura agradável." Atan explica que outra saída eficaz seria estimular o consumo de sucos de limão e de outras frutas cítricas. "Também eficiente para evitar a cristalização do caldo no organismo, diminuindo a incidência de pedra nos rins, seria inserir teores de citrato de potássio na água dos bebedouros", disse. (Agência Fapesp)