Notícia

Folha da Região (Araçatuba, SP)

Cães serão divididos em 2 grupos

Publicado em 06 dezembro 2008

 

Animais de três localidades (ainda não definidas) que apresentam grande incidência de leishmaniose receberão o primeiro ensaio clínico de vacina americana que combate a doença. Nesta etapa será medida a toxicidade da vacina.

Cães sadios serão divididos em dois grupos. No primeiro será aplicado placebo e no outro, a vacina. O anúncio dos testes clínicos foi feito ontem, pelo Instituto Butantan, órgão da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, e o IRDI (Infetology Disease Res. Institute), de Seattle, EUA.

A previsão é que a conclusão dos testes clínicos esteja pronta em um ano. A vacina, que será desenvolvida a partir de uma proteína recombinante, será distribuída durante a campanha anual de vacinação contra Raiva e deverá imunizar os animais nas áreas de risco. O objetivo é produzir uma fórmula que previna a leishmaniose e, futuramente, uma vacina que trate a doença em humanos.

Milhões

Se a vacina começar a ser produzida no Brasil, caso os testes clínicos sejam aprovados, estima-se que seja necessário investir R$ 18 milhões na construção de uma fábrica. O Instituto Butantan deverá aplicar R$ 5 milhões. Os recursos serão disponibilizados dentro de um mês.

Os testes clínicos serão financiados pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e pelo Ministério da Saúde, na ordem de R$ 2 milhões.