Notícia

Revista Pais & Filhos on-line

Brinquedos envenenados

Publicado em 19 novembro 2010

O Natal está chegando e os brinquedos muito baratos nunca pareceram tão irresistíveis. Mas é preciso controlar o impulso de encher a sacola com quinquilharias, pois a saúde das crianças corre risco. Infelizmente, os fabricantes piratas ignoram as recomendações da Organização Mundial da Saúde e de outros órgãos reguladores para conseguir lucros. Essas empresas acrescentam os ingredientes à vontade, sem se preocupar com a possibilidade de envenenamento dos pequenos consumidores.

Uma edição de 2007 da Revista da Fapesp, disponível online, fala sobre o recall de 1 milhão de brinquedos nos Estados Unidos devido ao excesso de chumbo. Reproduzo aqui o trecho que explica o motivo: "O cérebro em desenvolvimento é extremamente sensível a esse metal e o contato, mesmo que em pequenas quantidades, pode diminuir o quociente de inteligência (QI), promover déficit de atenção e auditivo, o retardo do crescimento e até danos renais".

Nunca ouvi falar desse tipo de recall no Brasil. Aqui, grande parte desses produtos envenenados são provenientes de contrabando e circulam no comércio informal, onde os direitos do consumidor não existem.

A Folha de São Paulo ouviu o Inmetro em outubro de 2006 e noticiou algo ainda mais alarmante: empresas chinesas estavam usando até lixo hospitalar reciclado como matéria prima de brinquedos. E recentemente assisti a uma palestra da pesquisadora da USP Tereza Cristina de Carvalho, que é coordenadora geral do CEDIR (Centro de Descarte e Reúso de Resíduos de Informática). Ela estava alarmada com o fato de as crianças manipularem brinquedos eletrônicos contendo pilhas piratas, que possuem dezenas de vezes mais mercúrio do que as pilhas certificadas, além de outras substâncias tóxicas como chumbo e o cádmio. As pilhas podem vazar ou explodir devido ao seu mau uso, causando danos muito sérios.

Para piorar a situação, os brinquedos envenenados não aparecem só no natal e dia das crianças. Vivemos uma época em que as crianças são presenteadas o tempo todo com tralhas descartáveis de qualidade cada vez pior. Esse tipo de lixo inunda festas infantis, festas juninas, gincanas e promoções de lojas. Todo dia é dia e toda hora é hora de dar para uma criança um objeto baratinho que vai quebrar em cinco minutos e passar centenas de anos contaminando o meio ambiente.

Confesso que escrever essa coluna me deu vontade de chorar.