Notícia

FarolCom

Brasileiros e franceses reúnem-se em São José do Rio Preto para discutir literatura e imprensa

Publicado em 21 agosto 2009

O Colóquio Internacional: Literaturas e Escritas da Imprensa Brasil-França (1800-1930) colocou em evidencia a importância das relações culturais entre os dois países

As históricas relações culturais entre o Brasil e a França foram o ponto de partida para a realização do Colóquio Internacional: Literaturas e Escritas da Imprensa Brasil-França (1800-1930). A abertura do evento, que integra o calendário oficial do Ano da França no Brasil, foi realizada na noite de 20 de agosto, no campus de São José do Rio Preto da Unesp. O evento, que ocorre até o dia 22 de agosto, colocou a literatura e a imprensa do século XIX em destaque e reuniu especialistas franceses e brasileiros em um ambiente de profundo intercâmbio acadêmico.

"A gente espera que haja uma interlocução entre nós brasileiros, para conhecer as pesquisas que estão sendo feitas na França e os franceses, que ainda estão em uma fase inicial de tomar conhecimento com a imprensa brasileira do século XIX. Acho que eles vão ter muitas surpresas quando souberem que havia tantas aproximações entre a imprensa brasileira e francesa", destacou a professora da Unesp Lúcia Granja, uma das coordenadoras do evento.

Ela ressaltou que a imprensa teve enorme desenvolvimento na mesma época nos dois países. "A imprensa brasileira se desenvolveu bastante na mesma época do desenvolvimento da imprensa francesa, e ao mesmo tempo que a gente desenvolvia a nossa imprensa aqui, a gente tinha os jornais franceses que vinham e eram lidos, apesar de virem de vapor e chegarem aqui um mês depois", acrescentou Lúcia, e revelou: "A nossa intenção é formarmos um projeto de cooperação e pesquisa Brasil-França".

A ideia de realizar o colóquio partiu da professora Lise Andries, da Université Paris-Sorbonne, coorganizadora do evento. Ela explicou que o projeto começou a ser pensado em meados de 2008. "Como nós sabíamos que o Ano da França no Brasil ocorreria em 2009, nós apresentamos um projeto para financiamento, que foi selecionado e chancelado", disse, e chamou atenção para o campo de estudo do colóquio: "Nós achamos que a imprensa do período entre 1800 à 1930 é um bom espaço de observação para estudar as transferências culturais entre o Brasil e a França".

"Nós estamos muito contentes de estar aqui em São José do Rio Preto. Nós sabemos que a imprensa francesa foi uma referência para muitos países da América Latina. No Brasil, existe um grande interesse sobre o que acontece na França, e há também um grande interesse do lado francês sobre o que acontece no Brasil. Nossa ideia não é trabalhar sobre a questão das trocas culturais em um sentido unilateral", acrescentou. Lise veio ao Brasil acompanhado de uma delegação de mais sete representantes franceses para fazer parte do colóquio.

O evento de abertura reuniu diversos acadêmicos brasileiros e franceses no campus da Unesp. "Essa atividade será desenvolvida como um evento do programa de Pós-Graduação em Letras do Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Unesp, e também está sendo realizada como uma atividade oficial do Ano da França no Brasil", ressaltou o diretor do Instituto, Carlos Alberto Ceron.

O professor da USP Gilberto Pinheiro Passos, especialista sobre as relações literárias Brasil-França, explicou que o século XIX foi escolhido como tema do colóquio por ser "a época mais privilegiada da irradiação da cultura francesa entre nós". "O século XIX será um grande momento em que a França encontrará entre nós um fértil campo para ideias e costumes, em todos os campos: da filosofia à moda, da culinária à literatura", enfatizou.

Ao reunir pesquisadores brasileiros e franceses, o colóquio representou uma grande oportunidade de troca entre os dois países, segundo Dominique Kalifa, professor da Université Paris-I. "O que empolga é a possibilidade de colaboração futura, de montar projetos conjuntos entre o Brasil e a França", afirmou. O evento foi realizado pela Unesp, com apoio da Fondation Maison des Sciences de l`Homme e da Fapesp.

Os patrocinadores do Ano da França no Brasil ( http://anodafrancanobrasil.cultura.gov.br/) são:

Comitê dos patrocinadores franceses:

Accor, Air France, Alstom, Areva, Caixa Seguros, CNP Assurance, Câmara de Comércio França-Brasil, Dassault, DCNS, EADS, GDF SUEZ, Lafarge, PSAPeugeot Citroën, Renault, Saint -Gobain, Safran, Thales, Vallourec.

Patrocinadores brasileiros:

Banco Fidis, Banco Itaú, Bradesco, BNDES, Caixa Econômica Federal, Centro Cultural Banco do Brasil, Correios, Eletrobrás, Fiat, Gol, Grupo Pão de Açúcar, Infraero, Oi, Petrobras, Santander, Serpro.

Parceria e realização:

TV5, Ubifrance, Aliança Francesa, CulturesFrance, Republique Française,TV Brasil, Ministério das Relações Exteriores, Ministério da Cultura, Governo Federal do Brasil, SESC, SESC SP.