Notícia

Ipesi

Brasileiros desenvolvem sistema para detectar invasão de vírus no computador

Publicado em 31 outubro 2012

Projeto desenvolvido por pesquisadores da Faculdade de Ciências (FC) da Unesp, Câmpus de Bauru, e da Unicamp utiliza uma técnica de inteligência artificial para resolver problemas em diversas áreas como detecção de invasão de vírus no computador, identificação de indústrias e residências fraudadoras de energia elétrica, ou ainda, seleção de gêneros musicais em grandes bases de dados.

O Floresta de Caminhos Ótimos (FCO), nome com o qual João Paulo Papa, da Unesp (Faculdade de Ciências), e Alexandre Xavier Falcão, da Unicamp, batizaram seu invento, é uma técnica de aprendizado de máquina que extrai informações para alguma aplicação específica, identifica e apreende o comportamento dos dados e oferece um resultado.

A ideia é fazer o reconhecimento de padrões como imagens, sinais, sons, entre outros, e relacionar com os elementos definidos pelo usuário, de forma que o conjunto de dados oferecido apresente, por meio de propriedades matemáticas, relacionamentos que permitam com que os dados similares estejam agrupados e contribuam para a boa precisão do sistema.

“Esse algoritmo foi desenvolvido durante o meu doutorado e tem demonstrado precisão semelhante a algumas das técnicas mais utilizadas atualmente”, afirma Papa.

O que diferencia a técnica desenvolvida por Papa e Falcão de outras já existentes no mercado é a rapidez do processamento. O uso permite alcançar um resultado com velocidade duas a três vezes maior, dependendo da aplicação.

Para detectar a invasão em sistemas computacionais, a técnica diferencia um acesso normal de um ataque. No caso, a máquina recebe acessos não permitidos. Como medida imediata, o programa bloqueia o IP do computador que está atacando.

Quanto ao roubo de energia, é possível investigar os fraudadores por meio da construção do perfil dos usuários. Por exemplo, dados do valor pago, medido e contratado de energia pelas indústrias, entre outros, são fundamentais para reconhecer a falsificação. Esse projeto de pesquisa está sendo realizado em conjunto com o professor André Nunes de Souza, do departamento de Engenharia Elétrica da instituição, que orienta um aluno de doutorado junto à Escola Politécnica da USP nesse assunto.

No caso do banco de dados musical, funciona de forma a extrair características que permitem diferenciar um estilo musical de outro. Segundo o pesquisador, para que a classificação seja feita pelo FCO, é preciso primeiro “ensinar” o programa sobre os estilos musicais presentes no banco de dados. No caso específico, é necessário dar informações do tipo de tom, frequencia e timbre que cada estilo de musical comporta. “A vantagem deste classificador é que ele é mais veloz do que algumas técnicas comumente utilizadas para o treinamento dos dados. Em bases dinâmicas, essa característica é bastante útil”, explica Papa.

O projeto foi financiado pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico). O montante financiado pela Fapesp foi R$ 97.056,11. O valor financiado pelo CNPq foi de R$ 36 mil via bolsa de produtividade em pesquisa.