Notícia

greenMe!

Brasileiros criam creme anti-inflamatório e protetor solar feito com resíduos de pequi

Publicado em 23 novembro 2021

Pesquisadores da Universidade Estadual Paulista – Unesp – desenvolveram um anti-inflamatório e um protetor solar feito com os resíduos de pequi que sobram da extração do óleo de pequi. Trata-se de uma produção barata e sem efeitos nocivos à saúde.

A pesquisa

Desde 2016, pesquisas vêm sendo realizadas com o uso de resíduos do pequi, com objetivo de descobrir um anti-inflamatório, além do protetor solar, com propriedades antioxidantes – capazes de retardar o envelhecimento da pele.

Além do aspecto de saúde, os pesquisadores estavam procurando meios de gerar renda para produtores e utilizar os restos da fruta para fins de aprofundar o processo de economia sustentável.

O uso do pequi

Essa fruta é bastante consumida em Goiás e no norte de Minas Gerais como componente da culinária desses locais.

O óleo da fruta já é bastante usado pela indústria de cosméticos. Porém, nesse processo, cerca de 90% da fruta é desperdiçado, correspondendo a muitas toneladas de resíduos por ano.

Essa foi a motivação para estudar o potencial de reaproveitamento para uso em outras finalidades, como na pesquisa desenvolvida pela Unesp.

O estágio atual da análise

Bons resultados foram apurados nos testes e já houve a obtenção da patente pela Agência Unesp de Inovação. Atualmente, aguardando apenas a autorização da Anvisa para sua comercialização.

Econômico e sustentável

“A indústria farmacêutica não para de buscar novas medicações e soluções estéticas que sejam eficazes, seguras, de baixo custo e que não causem consequências negativas para o organismo. Nós temos esses produtos. Além disso, nossas inovações contribuem para o bem-estar ambiental, econômico e social, agregando valor a um resíduo que normalmente é descartado”, afirma Lucinéia dos Santos, farmacêutica bioquímica e professora da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp

A docente explica que para produzir 60 gramas do novo creme anti-inflamatório, o custo aproximado seria de R$ 8,10. A mesma quantidade de um creme anti-inflamatório qualquer, contendo princípios ativos naturais, chega a ser vendido por R$ 65,00.

Parabéns aos envolvidos.

Leia AQUI a publicação da notícia na Agência FAPESP.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
UOL Folha.com Ciclo Vivo Programa InfoSalud (Argentina) Portal da Enfermagem Agrosoft Portal Neo Mondo eCycle Folha de Colíder online Titulares.ar (Argentina) GMundo News Um Só Planeta Portal NA - Nécessaire Affaires Antenados Novo Cantu Notícias Diário em Foco Oeste 360 Oeste Ao Vivo O Repórter Regional online Penha News Panorâmica News Informativo Astral Conexão Na Cidade Portal Altônia Alvo Notícias Alagoas Agora online Portal de Notícias Virou Manchete TV Interbam FEDAP - Fundação de Estudos para o Desenvolvimento da Administração Pública Campo Belo em Foco Jornal A Voz do Povo online (Uberlândia, MG) Jeremoabo.com.br Folha da Minha Sampa Portal O Sertão Mix Vale Mirante da Bocaina Roraima na Rede Zatum Portal do Governo do Estado de São Paulo Agora ES online Coluna Supinando DF Agora Acontece Agora Online BSB Notícias Agência de Notícias – Defesa Refugo Galileu online Mustach Jornal de Itatiba online Notícias Botucatu Só Notícia Boa Rápido no Ar Portal da Cidade (Registro, SP) Folha do Meio Ambiente Diário da Saúde Fleekus (EUA) Giro Goiás Bom dia Paraiba Minuto Cidade Hora PR Giro Notícias Goiás Cosmetic Innovation Os Cabeças da Notícia Saense Conexão Marília Jornal o Brasiliense São Miguel Agora Jornal Tabloide online (Cotia, SP) Jornal do Litoral online Beto Ribeiro Repórter Portal Sertão da Paraíba InforBahia Diário de Notícias Web BSB Digital Jornal Fatos & Notícias Jornal da Região Sudeste online Garanhuns Notícias TV Caparaó Portal O Guardião Bomba Bomba Clube de Imprensa Portal Bendita Saúde N5 Notícias Garça em Foco Pauta Brasil