Notícia

Metropóles

Brasileiros acham 2 novos vírus em pessoas com suspeita de dengue

Publicado em 12 março 2020

Ambidensovirus e Chapparvovirus nunca tinham sido observados em seres humanos, mas ainda não se sabe se estavam ativos no organismo

Cientistas brasileiros da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP) encontraram dois novos vírus em pacientes com sintomas semelhantes à dengue ou zika. O Ambidensovirus (encontrado em insetos, crustáceos e outros invertebrados, mas nunca em mamíferos) e o Chapparvovirus (já descrita em mamíferos e pela primeira vez em humanos) apareceram em amostras coletadas no Amapá e Tocantins.

Os pacientes apresentavam febre, manchas avermelhadas na pele e dor de cabeça, sintomas condizentes com zika ou dengue. Segundo os pesquisadores, ainda não é possível afirmar se os novos micro-organismos estavam ativos no organismo e se são os responsáveis pelos sintomas.

“Até o momento, não há evidências de que esses vírus tenham se espalhado ou de que sejam patogênicos. Mas é cientificamente interessante encontrar um Ambidensovirus em hospedeiros humanos. Essa descoberta reflete o quão pouco sabemos sobre a capacidade que os vírus pouco estudados têm de infectar diferentes tipos de células”, explica Eric Delwart, supervisor do projeto e pesquisador do Vitalant Research Institute, nos Estados Unidos, em entrevista à Agência Fapesp.

O estudo foi publicado na revista Plos One, e utilizou 781 amostras coletadas entre 2013 e 2016. Só duas amostras apresentaram os novos vírus até agora, mas a pesquisa já recebeu mais de 20 mil amostras para análise e pretende continuar o levantamento.

Os cientistas também pretendem descobrir como os novos vírus entraram no organismo e se oferecem risco à saúde. “Tentamos infectar culturas de células em laboratório, mas não foi possível. Não sabemos se é porque esses vírus não infectam o tipo de célula que usamos no experimento ou se as partículas virais contidas nas amostras que analisamos já não estavam viáveis”, conta Antonio Charlys da Costa, pós-doutorando e um dos autores do estudo.