Notícia

CM Consultoria

Brasil reduziu pela metade índice de mortalidade precoce de leucemia LPA

Publicado em 22 janeiro 2013

Por Flávia Villela

Um estudo elaborado em rede por países em desenvolvimento e desenvolvidos mostra que, nos últimos seis anos, o Brasil, México, Chile e Uruguai conseguiram reduzir pela metade o índice de mortalidade precoce da leucemia promielocítica aguda (LPA), um tipo mais agressivo de câncer do sangue e da medula óssea.

Para o coordenador do grupo no Brasil, Eduardo Rego, do Centro de Terapia Celular do Hemocentro de Ribeirão Preto (CTC-HRP), a cooperação em rede foi fundamental para o bom resultado e para a melhoria operacional nos controles de casos.

“Esse tipo de câncer é um dos mais agressivos, há elevada mortalidade nos primeiros dias após o diagnóstico, devido a manifestações hemorrágicas muito graves. Por isso, o diagnóstico mais precoce é muito importante, e o fato de conseguirmos trabalhar em consórcio permitiu que a gente fizesse o reconhecimento dessa forma de leucemia em poucas horas, o que é crucial”.

Antes da criação do consórcio, em 2006, a mortalidade no primeiro mês após o diagnóstico era acima de 30% e a sobrevida global após três anos era cerca de 50%. Em 2011, a pesquisa mostrou que a taxa de mortalidade caiu para 15% e a de sobrevida aumentou para 80%. Rego explicou que, em países da Europa como a Espanha, a mortalidade precoce fica entre 5% a 7% e a taxa de sobrevida de 90%, onde o modelo de consórcio é antigo. “Esperamos alcançá-los em breve”.

O hematologista explicou que o grupo foi criado em 2006 para que países em desenvolvimento pudessem trocar experiências e dados de seus pacientes e receber apoio de grupos de referência da Europa e dos Estados Unidos. Estudos clínicos de sucesso nos países desenvolvidos foram adaptados às peculiaridades de cada país.

Uma das adaptações de maior êxito, segundo o estudo foi a substituição da idarrubicina, substância mais utilizada no combate à doença na Europa e de elevado custo, pela daunorrubicina, que é uma substância de menor custo e mais facilmente encontrada no mercado brasileiro. “Ela alcança os mesmo resultados. A taxa de remissão, ou seja, de cura, foi semelhante a da idarrubicina”, garantiu o médico.

Outras sete instituições brasileiras participam do consórcio: Universidade de Campinas (Unicamp); Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo; Fundação Hemope, de Pernambuco; e as universidades federais de São Paulo, do Paraná, Rio Grande do Sul e de Minas Gerais. Além do Brasil, participam do consórcio internacional México, Chile, Uruguai, países da Europa e Estados Unidos.

O estudo foi patrocinado exclusivamente com dinheiro público e, no Brasil, o financiamento foi provido pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Na última segunda-feira (14), a pesquisa foi publicada no periódico científico Blood, da Sociedade Americana de Hematologia, referência mundial na especialidade. Para o editor-chefe da revista, Bob Löwenberg, o estudo aumenta o nível de percepção sobre os problemas médicos e estimula a cooperação e trocas entre especialistas para adaptar experiência às realidades de cada país.

“Esse estudo demonstra de forma convincente – não na teoria, mas dentro da realidade do cuidado médico - que é possível implementar experiências sofisticadas de tratamento em áreas do globo menos privilegiadas tanto em relação à infraestrutura com à expertise médica”, disse o editor.

No Brasil, o desconhecimento da incidência dos subtipos da doença compromete o tratamento, porque não existem estatísticas precisas da LPA. O Instituto Nacional de Câncer (Inca) previu no ano passado 4.570 novos casos em homens e 3.940 em mulheres, mas o levantamento não distingue a leucemia aguda da crônica.

Eduardo Rego diz que a estimativa é que cerca de 20% das leucemias mielóides agudas sejam do tipo LPA. “Faltam estudos claros de base populacional que indiquem qual a incidência das leucemias mielóides agudas. Ainda temos uma carência muito grande de base de dados populacional”, explicou.

Fonte: Agência Brasil

Fonte: SIS Saúde - Porto Alegre/RS