Notícia

Boletim do Acadêmico

Brasil perde com lentidão na área da ciência

Publicado em 20 setembro 2006

A série de debates sobre temas relevantes ao país promovida pelo caderno Aliás, do jornal O Estado de S.Paulo, terminou com uma conversa sobre o papel estratégico da ciência.
O evento ocorreu no auditório do jornal, em São Paulo, e foi mediado pela editora do Aliás, Laura Greenhalgh, e pelo editor-chefe do Estado, Flávio Pinheiro. Participaram os Acadêmicos Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da Fapesp; Fernando Reinach, diretor executivo da Votorantim Novos Negócios e colunista do jornal O Estado de S.Paulo ; Laymert Garcia dos Santos, professor de Sociologia da Unicamp; e Silvio Meira, cientista-chefe do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (Cesar).
Segundo os convidados, o Brasil perde oportunidades de crescimento por lentidão no setor e falta de capacidade de se estabelecer projetos de longo prazo. O Acadêmico Fernando Reinach afirmou que faltam consciência e investimento no Brasil. Em outras nações, lembra, a população reconhece um remédio ou um tocador de MP3 como um produto da pesquisa. "No Brasil, os produtos que são referência do setor são importados. Nosso presidente prefere se explicar usando analogias com o futebol do que com racionalidade científica".
Laymert Santos trouxe à discussão uma visão ampla e histórica da falta de interesse. "Perdemos o pé a partir da década de 70 e continuamos patinando no quesito inovação", declarou. "Somos lentos demais e nem sequer atentamos para o nosso papel na configuração mundial". Silvio Meira disse que o governo não cria um ambiente propício para os brasileiros produzirem conhecimento. "Faltam condições para o capitalismo empreendedor no Brasil".
Brito Cruz, um dos principais defensores atuais do fomento à pesquisa em empresas, vê oportunidade de crescimento em áreas como energia. "Criou-se no país uma mentalidade de que a pesquisa deve ser feita na universidade. Empresa é tão lugar de pesquisa quanto universidade."
Seis debates foram promovidos dentro deste ciclo - os temas tratados anteriormente foram educação, segurança e violência, pobreza e desigualdade, crescimento econômico e cultura. O conteúdo do debate será editado em caderno especial do jornal.