Notícia

JC e-mail

Brasil no projeto genoma: Descobertas nacionais serão incluídas no site do consorcio internacional

Publicado em 16 junho 2000

O Instituto Ludwig assinara um acordo de cooperação com os Institutos Nacionais de Saúde, um dos principais financiadores do Projeto Genoma Humano (HGP, a sigla em inglês), para montar uma pagina conjunta na internet, onde estarão disponíveis as seqüências genéticas descobertas pelas duas instituições. Os detalhes da colaboração devem ser definidos ainda esta semana. Desde marco do ano passado, o Instituto Ludwig e mais 32 laboratórios paulistas vem seqüenciado genes encontrados em tecidos sadios e cancerosos para determinar o perfil dos tumores, o que viabilizará o diagnostico precoce. O trabalho faz parte do Projeto Genoma Humano do Câncer e tem financiamento de R$ 20 milhões, vindos do instituto e da Fapesp. Os 150 cientistas que integram o projeto já seqüenciaram mais de 400 mil pedaços do DNA. É o maior conjunto de seqüências genéticas humanas disponíveis do mundo. A meta é gerar 1 milhão de seqüências ate marco de 2001. "Estamos descobrindo algumas seqüências inéditas. Por isso, os Institutos Nacionais de Saúde nos propuseram o acordo", diz Emmanuel Dias, um dos coordenadores do projeto. Por enquanto, os pesquisadores estão voltados para o câncer de estômago, de colo de útero e de cabeça e pescoço por serem os tumores mais incidentes no país. A iniciativa brasileira de se lançar no difícil campo da Genética não para por ai. Em janeiro deste ano, o Instituto Ludwig anunciou o termino do seqüenciamento da Xylella fastidiosa, bactéria que ataca os citros, provocando a praga do amarelinho. O êxito também levou os EUA, desta vez o Ministério da Agricultura, a propor uma colaboração entre pesquisadores americanos e brasileiros. A equipe vai seqüênciar o genoma de uma variante da bactéria que ataca a videira. 0 projeto deverá ser finalizado em um ano. A Fiocruz também desenvolve programas na área. Atualmente, o genoma de três parasitas estão sendo seqüenciados: Tripanosoma cruzi, que causa a doença de Chagas; Schistosoma mansoni, causador da esquistossomose, e Leischmania danovani, que provoca a leishmaniose. "A importância de trabalharmos com estes parasitas é que eles causam doenças típicas de paises subdesenvolvidos. Eles não interessam aos paises de primeiro mundo", disse Eloi Garcia, presidente da Fiocruz. "Entendendo melhor estes microorganismos, poderemos fabricar vacinas para prevenir as doenças e desenvolver métodos mais sensíveis de diagnostico", contou. A iniciativa faz parte do Projeto Genoma de Parasitas, do qual participam outros paises subdesenvolvidos, como a Argentina. A Organização Mundial de Saúde (OMS) financia 80% do programa. O anuncio do seqüenciamento do genoma humano, previsto para ontem, foi adiado mais uma vez. O HGP e a Celera Genomics, empresa privada que disputa com o programa publico a dianteira do seqüenciamento, estão negociando para fazer um anuncio conjunto. Caso a negociação não seja bem-sucedida, e possível que os dois grupos publiquem suas descobertas separadamente, em setembro.