Notícia

MundoGeo

Brasil integra consórcio internacional para lançamento de nanossatélites

Publicado em 01 julho 2019

Os nanossatélites, ou cubesats, podem ser tão pequenos quanto uma caixa de sapatos

Pesquisadores brasileiros uniram-se a um consórcio internacional que visa o lançamento de pequenos satélites de observação da Terra, os chamados nanossatélites, ou cubesats.

A expectativa é que o conjunto de equipamentos – menores do que caixas de sapato – forme uma rede de sensores em órbita capaz de fornecer imagens 3D de alta qualidade sobre o relevo terrestre, a formação de nuvens e seu conteúdo.

“A maior vantagem dos mini e nanossatélites é que, por estarem em altitudes mais baixas [a 300 quilômetros da superfície terrestre], eles têm menor latência. Dessa forma, é possível que o fluxo de dados seja feito em tempo real, ao contrário dos satélites geoestacionários. Outra vantagem considerável é que o custo do lançamento de um satélite costuma ser calculado pela sua massa,” explicou Klaus Schilling, professor do Centro para Telemática da Alemanha e líder do projeto, que envolve pesquisadores da Alemanha, África do Sul, Áustria, China, Canadá e EUA.

Um dos acordos firmados em um encontro realizado em São José dos Campos (SP), no âmbito do projeto Missão Telemática Internacional (TIM – Telematics International Mission), prevê lançar satélites com cerca de 3 quilogramas em 2021, provavelmente de uma base chinesa.

De acordo com Geilson Loureiro, chefe do Laboratório de Integração e Testes do Inpe, a reunião permitiu reunir empresas, institutos e universidades do Estado de São Paulo para impulsionar o andamento da parte nacional do projeto de pequenos satélites.

“Temos a tecnologia e a intenção de participar da empreitada, que deve reunir, além de pesquisadores da Bavária, cientistas das províncias de Shandong, Quebec e Western Cape. Reunimos integrantes das empresas paulistas Visiona, Orbital e Cron e pesquisadores do Inpe, do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e da Universidade Federal do ABC para discutir nossa participação e formular uma proposta de financiamento do projeto,” disse Loureiro.

A expectativa é ter até nove pequenos satélites trabalhando em conjunto no projeto TIM, que vai permitir abordagens inovadoras em áreas como observação da Terra, exploração científica e telecomunicações. Embora já existam vários pequenos satélites orbitando a Terra, explicou Loureiro, pesquisas de ponta na área atualmente se valem de equipamentos sendo controlados a partir do solo. O projeto prevê que os satélites trabalhem em formação, trocando informações de órbita e de atitude (orientação de um corpo em relação a um referencial inercial) entre si.