Notícia

Olhar Digital

Brasil iniciará criação de novo acelerador de partículas ainda em 2013

Publicado em 30 janeiro 2013

O Brasil deverá começar a construir a terceira geração de um acelerador de elétrons ainda neste ano. O equipamento, batizado de Sirius, será feito no Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS), em Campinas.

"Será uma facilidade aberta que atenderá às mais diversas áreas da ciência, desde medicina, biofísica, biotecnologia, biologia molecular e estrutural, até paleontologia, ciências dos materiais, agricultura e nanotecnologia", disse Antonio José Roque da Silva, diretor do LNLS, e entrevista à agência FAPESP.

Com expectativa de conclusão prevista para 2016, o projeto tem custo estimado em R$ 650 milhões. Segundo Roque da Silva, até o momento, o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) investiu cerca de R$ 55 milhões.

O equipamento será capaz de emitir radiações com mais brilho e maior resolução do que os da atual geração fazem. Único na América Latina, ele ainda será capaz de trabalhar em diferentes frequências, desde o infravermelho até o Raio X.

Com isso, é possível estudar a estrutura atômica de variados materiais e descobrir como suas partículas se distribuem e estão interligadas.

A energia final dos elétrons deverá ser mais do que o dobro dos aceleradores atuais emitem, que é de 1,37 GeV (gigaelétron-volt). O Sirius também ampliará a faixa de alcance para os raios X duros (o penúltimo no espectro eletromagnético), o que permitirá penetrar estruturas mais espessas.

"Para entender a diferença entre os raios X emitidos por uma máquina comum usada na medicina e a radiação emitida pelo síncrotron, podemos comparar o feixe de luz de uma lanterna com o de uma ponteira a laser, que tem divergência muito menor", explicou Roque da Silva.

Outro diferencial é que, enquanto os demais equipamentos do tipo usam eletroímãs, o Sirius está inteiramente baseado no sistema de ímãs permanentes, reduzindo a necessidade de cabos de alimentação.

Para Roque da Silva, e expectativa é que grandes pesquisadores de todo o mundo, como a israelense Ada Yonath - vencedora do Nobel de Química em 2009 - ou o norte-americano Briak Kbilka - premiado em 2012 por descobrir um novo tipo de receptor celular - sejam atraídos ao Brasil.

Em julho, o projeto executivo, que contém todas as informações de infraestrutura necessárias para o início das obras do acelerador, deverá ficar pronto.