Notícia

Universia Brasil

Brasil ganha 101 Institutos Nacionais de C&T

Publicado em 27 novembro 2008

O Ministério de Ciência e Tecnologia e o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) divulgaram nesta quinta-feira, 27 de novembro, os projetos aprovados no edital dos INCT (Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia). Ao todo, foram selecionados 101 institutos que deverão ocupar posição estratégica no Sistema Nacional de Ciência e Tecnologia.

Os novos centros estarão espalhados por 16 estados brasileiros. A região Sudeste manteve a maior representatividade, com 63 Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia aprovados - sendo 35 em São Paulo, 16 no Rio de Janeiro e 12 em Minas Gerais. Na seqüência, aparece o Nordeste, que ganha 14 INCT. O Sul fica na terceira colocação, com 13 projetos selecionados. Por fim, estão o Norte, que irá sediar oito institutos, e o Centro-Oeste, que terá três centros de pesquisa.

- A lista dos institutos aprovados distribuídos por Região, instituição e Unidade da Federação está disponível no site do CNPq.

O edital contou com R$523 milhões, maior investimento para uma chamada pública de apoio à pesquisa no Brasil. Os recursos são resultados da parceria com a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), Fapeam (Fundações de Amparo à Pesquisa do Amazonas), Fapespa (Fundações de Amparo à Pesquisa do Pará), Fapesp (Fundações de Amparo à Pesquisa de São Paulo), Fapemig (Fundações de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais), Faperj (Fundações de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro), Fapesc (Fundações de Amparo à Pesquisa de Santa Catarina), Ministério da Saúde, Petrobrás e BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Da verba disponível, R$ 319 milhões serão investidos no Sudeste; R$ 59 milhões, no Nordeste; R$ 53 milhões, no Sul; R$ 42 milhões, no Norte; e R$ 18 milhões, no Centro-Oeste.

Os institutos selecionados começarão a funcionar ainda este ano e receberão financiamento por até cinco anos. Os recursos somam cerca de R$ 600 milhões, incluídos R$ 30 milhões em bolsas, que serão concedidas pela Capes, os novos recursos aportados pelo Ministério da Saúde e o apoio das Fundações de Amparo à Pesquisa dos estados parceiros, R$ 30 milhões do BNDES e investimentos da Petrobras.

O desempenho de cada instituto, constituído no âmbito deste programa, será acompanhado pelo CNPq e pelo Comitê de Coordenação, enquanto que a avaliação do programa, tendo em vista as metas inicialmente propostas, será feita pelo CGEE (Centro de Gestão e Estudos Estratégicos).

Temas e áreas

Há projetos nas 19 áreas consideradas estratégicas pelo Plano de Ação em Ciência, Tecnologia e Inovação: Biotecnologia, Nanotecnologia, Tecnologias da Informação e Comunicação, Saúde, Biocombustíveis, Energia Elétrica, Hidrogênio e Fontes Renováveis de Energia, Petróleo, Gás e Carvão Mineral, Agronegócio, Biodiversidade e Recursos Naturais, Amazônia, Semi-Árido, Mudanças Climáticas, Programa Espacial, Programa Nuclear, Defesa Nacional, Segurança Pública, Educação, Mar e Antártica e Inclusão Social.

Foi reservado também uma cota para apoiar as propostas da demanda espontânea de todas as áreas do conhecimento.

Demanda

O edital recebeu 261 propostas, representando uma demanda de mais de R$ 1,5 bilhão. Analisando a demanda por regiões, o Sudeste apresentou 67% das propostas enviadas, o Nordeste e o Sul 11%, cada, o Centro-Oeste 6% e o Norte 5% dos projetos submetidos ao edital.

* Informações da assessoria de imprensa do CNPq.