Notícia

A Tribuna (Santos, SP)

Brasil é primeiro a seqüenciar genes de plantas

Publicado em 28 maio 2000

América Latina a decifrar um genoma, o da bactéria Xylella fastidiosa (praga que afeta laranjais), o Brasil toma a dianteira na decodificação do código genético de plantas. O Projeto Genoma da Cana-de-açúcar, que, como o da Xylella, surgiu graças ao apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), já seqüenciou (decifrou as bases químicas) de 42 mil dos cerca de 50 mil genes da cana, no mais ambicioso projeto de genomas vegetais do mundo. O projeto brasileiro é maior, por exemplo, do que os programas americanos, europeus e japoneses que investigam o DNA da soja e do milho. O projeto já identificou genes que prometem levar à criação de uma variedade de cana para produzir açúcar que não engorda. Ele tem atraído pesquisadores de outros países e é o primeiro grande projeto de genoma a integrar cientistas de todo o País. Por enquanto, o projeto reúne 20 laboratórios paulistas e, devido a acordos com as fundações estaduais de amparo à pesquisa de Alagoas e Pernambuco, possibilitou a implantação de laboratórios de seqüenciamento de genes naqueles estados. O coordenador do projeto, Paulo Arruda, do Departamento de Genética e Evolução do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), diz que a idéia é difundir a genômica - uma das áreas da ciência que mais cresce no mundo - em todo o Brasil. A Fapesp investiu cerca de US$ 6 milhões e acertou uma colaboração com a Copersucar, que entrou com R$ 500 mil. "Estamos selecionando mais especialistas. Nosso objetivo é chegar a cerca de 50 grupos de pesquisa em todo o País. A filosofia dessa seleção, que chamamos de data mining, é que os pesquisadores analisem o banco de dados de seqüências genéticas da cana e procurem encontrar os genes de suas áreas de estudo. Com isso, especialistas em doenças de plantas podem procurar genes associados à resistência a pragas, outros grupos podem buscar genes produtores de açúcares", explica Arruda. Justamente com essa filosofia foi possível descobrir um grupo de especiais, que até agora não se sabia que a cana produzia. "Esse tipo de açúcar só era conhecido em fungos. Ele não é metabolizado pelo organismo humano, o que significa que não engorda. No futuro, esses genes poderiam ser usados para criar uma variedade de cana que produzisse o açúcar que não engorda em maior quantidade. Trabalhamos com a possibilidade de obtenção de plantas transgênicas", diz Arruda. O Projeto Genoma da Cana-de-açúcar é visto como uma fonte em potencial de genes úteis para a agroindústria e a indústria de alimentos. O Brasil é um dos maiores produtores mundiais de cana e a usa não só como fonte de açúcar, mas de álcool combustível. "Além da descoberta de novos açúcares, estamos interessados em genes associados ao metabolismo da planta e à resistência a pragas, por exemplo," observa o geneticista, acrescentando que genes encontrados na cana podem ser úteis para a pesquisa de outras espécies de plantas de interesse agrícola. O geneticista Adilson Leite, do Centro de Biologia Molecular e Engenharia Genética da Unicamp, trabalha no seqüenciamento de genes importantes para o próprio funcionamento do DNA da cana. Ele diz que genes fundamentais como esses têm similares em outras espécies. Os cientistas estão na fase final do seqüenciamento e Arruda diz que o trabalho, iniciado em julho passado, deve estar pronto em um ano, bem à frente da previsão inicial de conclusão, em 2003. Uma vez que o seqüenciamento, isto é, a identificação dos genes propriamente dita, esteja concluída, os cientistas começarão a se dedicar ao estudo daqueles que determinam a produção de proteínas importantes. (Agência Globo) PESQUISA PODE AJUDAR NAS DOENÇAS Pesquisadores envolvidos no Projeto Genoma da Cana-de-açúcar não têm avançado apenas na descoberta de genes que podem interessar aos agricultores e à indústria de alimentos. O cientista Carlos Menck, do Departamento de Microbiologia da Universidade de São Paulo (USP), e seu grupo identificaram na cana genes muito semelhantes a outros que causam doenças em seres humanos. Mais especificamente, os pesquisadores identificaram na cana-de-açúcar seqüências genéticas parecidas com as do gene BRCA 1, associado a uma forma de câncer de mama humano. Menck diz que ainda não analisou o gene todo, mas que seja de fato muito parecido com o existente em seres humanos. O câncer da mama está relacionado a mutações no BRCA 1. Já mutações do equivalente encontrado na cana-de-açúcar parecem tornar a planta mais sensível a agentes que afetam o DNA. Longe de ser só uma curiosidade científica, o trabalho contribui para o estudo da evolução ao mostrar que seres humanos e vegetais compartilham informações genéticas fundamentais. Os genes com que Menck trabalha são conhecidos como guardiões do DNA. Eles têm como função reparar quaisquer danos sofridos pelo DNA. Por terem uma função tão importante, básica para a vida, são necessários a todos os seres vivos. "O BRCA 1 e seu homólogo na cana são genes de reparo do DNA. Mutações neles causam instabilidade no genoma. São genes muito antigos, que existem desde os primórdios da vida na Terra. Ao estudar esses genes, podemos descobrir o quanto vegetais e animais são parecidos", diz Carlos Menck. A pesquisa também pode ter desdobramentos no campo da biotecnologia. É possível procurar desenvolver, por exemplo, plantas transgênicas com mutações nos genes de reparo do DNA para estudos de monitora-mento ambiental. Plantas sensíveis a determinadas substâncias poderiam ser usadas para medir níveis de poluição. (AG) PROGRAMA ANALISA VARIEDADES DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de-açúcar é uma das plantas com maior importância comercial no mundo. O Brasil é o quarto maior produtor mundial da espécie, cultivada em mais de 80 países. A cana é usada, principalmente, para a produção de açucare álcool combustível. São Paulo responde por metade da produção nacional de cana. Paulo Arruda explica que a idéia do projeto foi lançada em maio de 1999 e que a pesquisa começou em julho passado. Os pesquisadores estudam as principais variedades de cana, a Saccharum officinarum e a S. spontaneum. (AG) PARA ENTENDERA GENÔMICA Genoma é o conjunto dos genes que determinam as características de um ser vivo. No caso da cana-de-açúcar, é composto de 50 mil genes. DNA é uma grande molécula que carrega todas as informações, codificadas, para a formação de um ser vivo. O código utiliza quatro letras: A (adenina), C (citosina), T (timina) e G (guanina) - correspondentes aos quatro componentes do DNA. Os genes são trechos da molécula de DNA com mensagens químicas para as células produzirem proteínas. Cromossomos São pacotes de genes dentro do núcleo das células. Cada cromossomo contém uma molécula de DNA. Seqüenciamento genético é a identificação das letras que compõem cada gene. Ao seqüenciar um gene, os cientistas podem ler sua mensagem e descobrir que proteína, ele manda a célula fazer.