Notícia

Confap - Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa

Brasil e Argentina reforçam cooperação para pesquisa científica

Publicado em 03 agosto 2017

A presidente do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap), Maria Zaira Turchi, participou nesta quinta-feira, dia 03 de agosto, da I Reunião do Comitê Executivo Brasil-Argentina em Ciência, Tecnologia e Inovação, realizada em Brasília (DF). A reunião contou com representantes do Confap, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e do Ministério das Relações Exteriores, além de representantes da Embaixada da Argentina, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Produtiva da Argentina (MINCyT) e do Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas (Conicet), bem como entidades de pesquisa dos dois países.

A reunião buscou estreitar relações, estabelecer parcerias e trocar experiências em ciência, tecnologia e inovação entre os países vizinhos. Foi assinado um memorando de entendimento entre os dois ministérios, envolvendo a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), e foram apresentadas potencialidades de cooperação, tanto do lado brasileiro, como do lado argentino.

A presidente do Confap, Maria Zaira Turchi, apresentou a atuação do Conselho, no conjunto de suas Fundações, e o trabalho que já foi desenvolvido em parcerias com aquele país, como os acordos já feitos entre o Conicet, a Fapesp e a Faperj, além de apresentar as parcerias nacionais e internacionais que já são realizadas por meio do Confap. “O Confap tem uma atuação internacional forte e há potencial para ampliar a cooperação científica, tecnológica e de inovação entre a Argentina e diferentes estados brasileiros”, ressaltou.

Para o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Gilberto Kassab, o encontro foi de extrema importância para retomar a relação do Brasil com a Argentina, especialmente nas áreas de ciência, tecnologia e inovação. “O Brasil e a Argentina tiveram num passado recente uma relação intensa no campo das parcerias com relação à ciência, tecnologia e inovação, queremos agora reforçar essa intensidade para encontrar soluções e as respostas que a sociedade precisa”, completou.

Kassab reforçou que a parceria consolida a relação entre os dois países e anunciou a visita de uma delegação do MCTIC à Argentina em outubro.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação Produtiva da Argentina, Lino Barañao, alertou que o mundo passa por mudanças e enfrenta desafios, como a demanda por alimentos e por empregos. “Não há outro caminho que a aplicação da tecnologia para obter uma produção agrícola sustentável. Os empregos do futuro estão associados às tecnologias, à criatividade e à educação, reforçou”

Acordo

Os ministros dos dois países assinaram um memorando de entendimento, em conjunto com a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), que prevê a realização de atividades conjuntas em temas de interesse mútuo e o apoio a instituições de ciência e tecnologia e a empresas dos dois países. As ações vão abranger diversas áreas do conhecimento, com ênfase em energias renováveis, meio ambiente, agroindústria, bioeconomia, saúde e oceanografia, levando em conta as tecnologias da informação e comunicação (TICs), biotecnologia e nanotecnologia.

O documento estabelece o lançamento de chamadas públicas conjuntas; o apoio a projetos de pesquisa; o intercâmbio de pesquisadores e estudantes para utilização de laboratórios e execução de projetos conjuntos; a organização de seminários, workshops, simpósios e outros eventos de interesse mútuo para promover a interação entre instituições relevantes; o intercâmbio de informações, procedimentos e melhores práticas relativas às políticas e estratégias de CT&I; e a organização de visitas para o estabelecimento de redes.

Cooperação

Durante a reunião bilateral, representantes do Brasil e da Argentina apresentaram propostas de ações conjuntas e relataram as experiências desenvolvidas em dez áreas: inovação industrial; nanotecnologia; oceanos; bioeconomia; ciências humanas e sociais; desertificação, biodiversidade e desenvolvimento; e colaboração em projetos de pesquisa e atividades científicas.

No encontro, foi anunciado o relançamento das atividades do Centro Brasileiro-Argentino de Nanotecnologia (CBAN) e feito um balanço dos 30 anos de atividade do Centro Brasileiro-Argentino de Biotecnologia (Cabbio). O projeto é uma parceria entre o Brasil e a Argentina, com participação do Uruguai desde 2011. Em três décadas de atuação, já foram oferecidos 442 cursos e mais de 5 mil pessoas capacitadas pelo centro.

Na reunião, o presidente do CNPq, Mario Neto Borges, apresentou a proposta de um memorando de entendimento para ser assinado com o Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas da Argentina (Conicet). A intenção é que o documento seja assinado em 2018, quando as duas instituições completam 50 anos de parceria, com mais de 500 projetos de colaboração no período. “Temos a intenção forte e sólida de ampliar e fortalecer essa parceria”, destacou.

Criado em 2016, o Comitê Executivo Bilateral Brasil-Argentina tem o objetivo de identificar áreas de mútuo interesse e coordenar a implementação de projetos conjuntos. Brasil e Argentina assinaram em 1980 o primeiro Acordo de Cooperação Científica e Tecnológica, que foi atualizado em 2001 pelo Memorando de Entendimento sobre Cooperação Científica e Tecnológica.

Coordenadoria de Comunicação Social do Confap, com informações do MCTIC e do CNPq .