Notícia

Diário do Comércio (SP)

Brasil cria rede paralela à world wide web

Publicado em 28 junho 2005

Por Bárbara Oliveira
A UNBnet vai oferecer registro por R$ 12 e vários serviços gratuitos para empresas e usuários finais

Está no ar desde quinta-feira passada uma nova rede na internet criada por um grupo de empresários paranaenses e que pretende concorrer com a World Wide Web (www). Trata-se da UNBnet - United Business Net, empresa de capital nacional que vai prover gratuitamente serviços de e-mail, busca, hospedagem, comunicação instantânea e e-commerce.
Basta que o usuário (pessoa jurídica ou física) cadastre seu domínio com a nova denominação, ao preço de R$ 12 anuais. Portanto, a partir de agora, tanto empresas como internautas domésticos podem navegar nos dois mundos virtuais: o www e o unb, cujo formato de endereço na rede será http://unb.domínio.país ou http://unb.domínio.com.br .
Segundo o diretor de desenvolvimento da UNBnet, Marcelo Sodré, nesta fase de lançamento todas as empresas que tiverem um nome comercial (cadastrado em juntas comerciais ou no Inpi) e um endereço na internet (obtidos na Fapesp ou outros órgãos do exterior) poderão fazer seus registros na rede unb.
"Queremos ter certeza de que são os verdadeiros proprietários dessas empresas que estão se registrando e não aventureiros que se aproveitam da situação para depois vender o domínio, como costuma acontecer na web", avisa Sodré. Mas ele lembra que essas empresas interessadas em se registrar e usufruir dos serviços gratuitos da UNBnet terão 30 dias para se cadastrarem.
"Depois desse período, se não houver interesse dos verdadeiros donos em ingressarem na rede UNBnet com seus domínios, abriremos para todos." Ou seja, o empresário avisa que a partir daí qualquer pessoa poderá registrar qualquer nome na rede.
Esta pode ser uma política de pressionar as empresas a entrarem logo na rede paralela à www porque, caso contrário, elas poderão perder seus domínios unb e correrem o risco de precisar pagar para resgatarem o nome de volta. Movimento semelhante aconteceu no início da web no Brasil, quando muitas empresas e gente famosa tiveram de correr atrás de alguns internautas que foram mais rápidos em registrar seus nomes na internet.
Nos primeiros 30 dias, o acesso será restrito às empresas. Elas terão caixa de e-mail de 300 MB, hospedagem de 18 MB, comunicador instantâneo integrado, mecanismo de busca que funciona tanto para o UNBnet como para www e um gerenciador de e-mail compatível com os serviços oferecidos na própria web.
O acesso será feito por meio de um navegador desenvolvido pela própria United Business Net para a conexão aos domínios das duas redes. Quando for liberada ao público em geral, além do navegador, a nova rede vai disponibilizar softwares (plug-ins) que adaptarão aos navegadores uma nova barra de endereços para que o usuário possa navegar pelas duas redes com seu browser preferido.
O diretor de desenvolvimento da UNBnet diz que ela será como um portal de internet para "prover serviços gratuitos ao usuário, e onde ele poderá gerenciar seus e-mails, criar páginas, publicar diário virtual e fotos, hospedar o site, controlar compromissos, divulgar vagas e currículos, fazer buscas com um único login e senha".
O projeto de criar uma rede paralela à www está em desenvolvimento pelos empresários do Paraná há três anos. Os sócios da empresa, segundo Sodré, "são pessoas que sempre trabalharam com internet nos últimos anos, são cientistas, especialistas de informática e que sempre viram a possibilidade de se criar uma rede paralela e puramente brasileira".
O capital é nacional, mas a UNBnet diz ter parceiros de negócios e para conteúdo no mundo inteiro. "Temos uma estrutura lógica paralela à web com capacidade ilimitada, espelhos no mundo todo, um backbone em Toronto (Canadá) e data centers no Japão e China. No Brasil, dispomos de cerca de 600 pontos de referência —espaços locados em data centers brasileiros com os quais a empresa tem parceria", informa Sodré.
A expectativa da UNBnet é registrar cerca de 10 milhões de domínios nesta primeira fase de funcionamento da rede, o que representa cerca de 2,5% dos endereços registrados na internet mundial (mais de 380 milhões).
A aposta da UNBnet para conseguir receita além da venda do registro por R$ 12 será no e-commerce, pois além da oferta de serviços, a empresa vai possibilitar ao varejo transações online, transformando o portal também num site para a compra e venda de produtos entre usuários finais e empresas daqui e do exterior. A venda direta de bens e serviços será feita com a ajuda de análise dos hábitos dos internautas.