Notícia

Jornal do Comércio (RS)

BP e Fapesp investem US$ 50 mi em pesquisa

Publicado em 17 maio 2012

A BP Biocombustíveis Bra­sil vai investir US$ 50 milhões em conjunto com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo no financiamento de pesquisas em temas relacionados à bioenergia em universidades e entidades de pesquisa paulistas. O acordo foi assinado no Palácio dos Bandeirantes, sede do gover­no paulista. Segundo o presidente da BP Biocombustíveis, Mário Lin­denhayn, os investimentos serão feitos em conjunto durante um prazo de 10 anos.

O executivo informa que os projetos a serem financiados serão escolhidos por meio de editais dentro de quatro linhas básicas. O objetivo, segundo ele, é apoiar pesquisas vinculadas à redução do uso de água, à redu­ção do uso de energia, além de projetos que busquem melhor resultado no indice de conversão de energia e melhoria na produti­vidade agrícola. Lindenhayn cita que projetos de novas variedades de cana-de-açúcar, que elevem a produtividade agrícola, e até mesmo de etanol celulósico estão dentro do leque de pesquisas que poderão ser financiadas.

A assinatura do acordo coin­I cide com o primeiro aniversário da BP Biocombustíveis Brasil. Segundo Lindenhayn, a parceria com a Fapesp é uma forma de a BP consolidar no Brasil os inves­timentos em pesquisa que já rea­liza em outros países. “O objetivo da BP é dobrar a produtividade agrícola da cana nos próximos 20 anos”, disse. O executivo in­formou ainda que além da par­ceria com a Fapesp a BP também possui um departamento de tec­nologia também para pesquisa e desenvolvimento de alternativas para melhorar a produtividade.

Desde 2006, a BP anunciou investimentos em pesquisas, de­senvolvimento e operações com biocombustíveis na Europa, no Brasil e nos Estados Unidos, de mais de US$ 2 bilhões. A compa­nhia possui um centro global de tecnologia para biocombustíveis, localizado em San Diego (EUA), e está investindo US$ 500 milhões em 10 anos no Energy Biosciences Institute (EBI), onde biotecnólogos estudam aplicações de biotecno­logia em energia.

 

Lindenhayn ressalta que uma pesquisa que está sendo desenvolvida em San Diego, por exemplo, para desenvolvimento de etanol celulósico, pode vir a ser adaptada ao Brasil e fica den­tro dos parâmetros exigidos para ser financiada pelo acordo entre a BP e a Fapesp.