Notícia

Jornal do Brasil online

Bolsas de pós-graduação ainda são insuficientes, dizem professores

Publicado em 03 junho 2012

Com força em pesquisa e constante abertura de novos cursos, as universidades brasileiras têm recebido cada vez mais alunos que buscam seguir carreira acadêmica. Sonhando em dar aulas ou se tornar pesquisadores, eles veem nas bolsas de pós-graduação uma possibilidade de destinar mais tempo aos estudos. A ampliação das oportunidades ocorre simultaneamente ao crescimento do número de estudantes que se matriculam e pleiteiam o auxílio - mas a abertura de novas vagas, no entanto, parece não suprir a demanda.

Na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), dos 7,5 mil alunos de mestrado e doutorado, entre 30% e 40% têm bolsa. O auxílio vem da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e da Fapemig (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais), organizações de fomento à pesquisa e, em menor quantidade, de instituições locais e empresas interessadas em projetos específicos desenvolvidos pela universidade. "Essa é uma realidade comum no Brasil", disse o pró-reitor de pós-graduação da UFMG, Ricardo Gomez.

O professor explica que o aumento do número de alunos que buscam a pós-graduação strictu sensu (de mestrado e doutorado) também se deve à formação de novos professores aptos a exercer papel de orientador. "Além da parte discente, o número de docentes também cresceu, principalmente pelo fato de que jovens professores vêm se qualificando cada vez mais cedo. Assim, temos mais vagas e, consequentemente, mais demanda", explica. Para Gomez, as bolsas disponíveis não são suficientes.

Para especialistas, mais oportunidades reforçariam a produção intelectual

Os 23 programas de pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) têm cotas de bolsas com diferentes agências de fomento: Capes, CNPq e Fapergs (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul). Segundo a coordenadora de bolsas da pós-graduação, Clarissa Lopes Bellarmino, a seleção é realizada de acordo com as normas das agências e critérios estabelecidos por comissões específicas dos programas. "A cota de bolsas recebida anualmente é plenamente preenchida. O número de bolsas não é satisfatório, considerando-se a demanda de candidatos a cada ingresso. Há necessidade de ampliação da cota de bolsas que exigem a dedicação integral do aluno, de forma a melhorar o desempenho e a qualidade da produção intelectual dos alunos", diz.

Na Unicamp, o total de alunos nos programas que levam aos títulos de mestre e doutor se aproxima de 11 mil. Desses, 5,3 mil estão matriculados em programas de mestrado e 5,7 mil em de doutorado. Segundo o pró-reitor de pós-graduação da universidade, Euclides Mesquita Neto, a instituição recebe 4,8 mil bolsas Capes, CNPq, Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). "Existem alunos regularmente matriculados na pós-graduação que declaram não necessitar de bolsas. A maioria tem algum vínculo empregatício. Mas temos também um número de alunos que não têm vínculo empregatício e necessitam de bolsas para se dedicar em tempo integral aos programas. Nosso último levantamento apontou 608 alunos de mestrado em 528 alunos de doutorado necessitando desse tipo de financiamento na forma de bolsas", diz. Fazendo coro aos outros professores, Neto diz que não há excedentes de bolsas na área. ¿Quase 1,2 mil alunos têm, hoje, necessidade de financiamento por meio de bolsas. Ou seja, mais delas seriam bem-vindas e auxiliariam na formação de um número ainda maior de mestres e doutores para o Brasil", destaca.

Segundo a Capes, em 2000, cerca de 9,2 mil bolsas de pós-graduação foram concedidas a alunos de mestrado, doutorado e pós-doutorado em todo o Brasil. Dez anos depois, esse número quase dobrou, saltando para mais de 18 mil bolsas, com vagas também no nível Professor Visitante Nacional Sênior. Já o CNPq é o responsável pelo maior número de bolsas de pós-graduação: em 2000, se aproximava de 43 mil vagas. Em 2010, passou de 75 mil.