Notícia

Correio da Paraíba

"Bola de Cristal" contra doenças

Publicado em 18 março 2007

O 1° equipamento brasileiro de análises genéticas começa a ser desenvolvido este ano e deve chegar ao mercado em 2009. Trata-se de um analisador de DNA, que pode, por exemplo, ser um poderoso aliado da inteligência policial para resolver crimes de forma mais eficiente ou auxiliar um médico a fazer um diagnostico mais preciso e rápido. O analisa dor será usado, inclusive, pela medicina genomica, para a detecção de pré—disposição a doenças hereditárias.
Além, disso, ele pode ajudar a aumentar a rentabilidade da pecuária brasileira, por meio da seleção de animais pelos marcadores moleculares de produtividade ou ainda servir a quem desenvolve novos plantios transgênicos resistentes a pragas, já que estas características es tão marcadas no DNA.
O aparelho está sendo produzido pela empresa Cientistas Associados Desenvolvimento Tecnológico LDTA, que está ligada a Fundação ParqTec de São Carlos (SP), e conta com o financiamento de cerca de R$ 500 mil, custeados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O coordenador do projeto Sandro Hillebrand, ressalta que o equipamento deve custar até 40% mais barato que os similares importados que já existem no mercado. "Para o usuário direto, a vantagem vai ser o preço e a facilidade de lidar com uma tecnologia fornecida por uma empresa brasileira, desenvolvida com foco nas suas necessidades", ressaltou.
Ele explica que o analisador é uma ferramenta essencial para todo e qualquer laboratório que trabalhe com DNA. Isso inclui os laboratórios de prestação de serviços em análise, como clínicas, laboratórios de exame de paternidade, de análise de Organismos Geneticamente Modificados (OGMs) — transgênicos — ou em laboratórios de pesquisa científica em universidades e centros de pesquisa.
O aparelho também poderá ser usado em análises de perícia criminal, na genotipagem de plantas e animais, identificação de microorganismos e em medicina genômica (detenção e pré-disposição dos indivíduos a doenças hereditárias). "A tecnologia é uma ferramenta muito importante para quem parte do DNA para resolver problemas da sociedade brasileira", afirmou Hillebrand.