Notícia

Hoje em Dia online

Boeing aposta em pesquisa para criação de indústria de combustível no Brasil

Publicado em 09 dezembro 2012

Por Iêva Tatiana

O Brasil está perto de se tornar um dos protagonistas mundiais da produção de biocombustíveis para aviação. Desde o ano passado, a norte-americana Boeing, gigante da indústria aeroespacial, coordena estudos a fim de identificar oportunidades para a criação de uma indústria de combustível bioderivado em território tupiniquim. Em parceria com a Embraer e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), a empresa vai apresentar, no final de fevereiro, um relatório para nortear a criação de um centro virtual de pesquisa e desenvolvimento de biocombustíveis no país.

A proposta é implantar o projeto nas principais universidades brasileiras que já possuam tradição no setor. “Estamos trabalhando na busca das melhores alternativas para a produção de biocombustíveis a partir de produtos agrícolas, visando a substituição dos de origem fóssil”, afirma o coordenador adjunto para programas especiais da Fapesp, Luis Cortez.

Potencial

De acordo com a gerente de projetos da equipe de tecnologia da Boeing Pesquisa e Tecnologia, a brasileira Nirvana Deck, o histórico do Brasil em produção de biocombustíveis é um aliado importante. “O país está em uma posição estratégica e a Boeing identificou isso. Vários países buscam a tecnologia do biocombustível para aviação, mas o Brasil, além da grande oferta de matéria-prima, acumula conhecimento e disposição da indústria e das universidades”, diz Deck.

Etapas

Desde o ano passado, sete workshops foram realizados pelas empresas parceiras para discutir o processo de criação do centro de pesquisas e da produção efetiva do biocombustível. “Acredito que ainda vamos levar alguns anos para produzir, de fato, o biocombustível para aviões, e ele vai demorar mais algum tempo para ser empregado em larga escala”, afirma Cortez.