Notícia

Brasil Econômico

Boeing abre centro de pesquisa em SP

Publicado em 10 abril 2013

Por Flavia Galembeck

Impulsionado pelo Programa Céu Limpo, que prevê redução de 75% dos gases poluentes emitidos por companhias aéreas que cruzam os céus da União Européia, e que entra em vigor em setembro deste ano, a Boing {Boeing} resolveu abrir no Brasil seu sexto Centro de Pesquisa fora dos Estados Unidos. O anúncio foi feito pela presidente da Boing {Boeing} Brasil, Donna Hrinak, durante a LAAD, evento do setor de segurança que acontece no Rio de Janeiro.

O local escolhido para sediar as pesquisas foi a cidade de São José dos Campos, no interior paulista, e também onde está localizada a sede da Embraer e o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).

A grande estrela do laboratório deve ser o biocombustível para aviões. A matriz energética desse combustível ainda não foi definida, mas a solução deve ser drop-end, ou seja, uma fonte que não crie necessidade de adaptação dos motores das aeronaves em operação.

Hoje, a maior dificuldade é equacionar uma fórmula de combustível ecologicamente sustentável com a viabilidade financeira – a resposta para essa solução passa pela matriz energética. Outras empresas, na Europa e na Ásia, também estão pesquisando o tema. O combustível responde por cerca de 30% dos custos das companhias aéreas.

Em um primeiro momento, a solução ecologicamente correta pode não significar economia. Mas a larga escala de seu uso, impulsionada por restrições como a da União Europeia, devem, baratear o combustível verde.

Em junho deste ano, o estudo do Mapa Global deve definir a matéria-prima do biocombustível da Boing {Boeing}. O levantamento foi feito em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

No Centro de Pesquisa da Boíng, 12 pesquisadores contratados e mais os especialistas associados, de instituições como Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade de São Paulo (USP), Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), entre outros, desenvolverão produtos, novos materiais e produzirão conhecimento, como o estudo sobre o gerenciamento de pessoas em espaços restritos – esse último enfocando os jogos esportivos no Brasil em 2014 e 2016 .