Notícia

JC e-mail

Biota/Fapesp: Natureza sob novo olhar

Publicado em 20 dezembro 2004

Nunca se soube tanto quanto hoje sobre as mais variadas formas de vida encontradas no Estado de SP, um território com 250 mil quilômetros quadrados, um pouco maior do que a Grã-Bretanha - sejam elas microrganismos, plantas ou animais que habitam a terra firme, a água doce ou o mar. Até agora, US$ 10 milhões foram destinados a cerca de 50 projetos do Biota, um programa guarda-chuva que abriga iniciativas das mais diversas e em áreas distintas. Dentro do Biota, há estudos sobre peixes de água doce e animais marinhos; trabalhos sobre a distribuição dos mamíferos das Américas; projetos que tentam descobrir árvores capazes de retirar grandes quantidades do poluente gás carbônico da atmosfera; levantamentos sobre o grau de preservação da vegetação nativa no Estado. Um dos filhotes mais recentes do programa é a BIOprospecTA, rede que procura biofármacos escondidos nas matas e rios, cujos primeiros quatro projetos de pesquisa acabam de ser aprovados. Esses são apenas alguns exemplos da abrangência do Biota. Com a dedicação e a competência dos 500 pesquisadores e 500 alunos de graduação e pós-graduação que participam de seus projetos, o Biota inaugurou uma nova forma de fazer pesquisa na área ambiental. Estimulou o trabalho em conjunto e o intercâmbio de informações, em especial via internet, entre pesquisadores baseados em dezenas de instituições de SP (e de outros estados e até do exterior) que antes tendiam a ficar isolados em seu campo específico de trabalho. 'A Fapesp não passou a gastar mais em estudos ambientais com o Biota. Passou a gastar melhor', afirma o biólogo Carlos Alfredo Joly, da Unicamp, ex-coordenador do programa. 'Mudamos o paradigma de quem trabalha com história natural. O lema agora é compartilhar dados.' Site da revista: http://www.revistapesquisa.fapesp.br (Agência Fapesp, 20/12)