Notícia

2A+ Farma

Biofábrica de tomates da Crop Biotecnologia promete minimizar doenças crônicas

Publicado em 30 junho 2021

Por admin

A “biofábrica” em forma de tomate torna-se uma grande possibilidade de se tornar escalonável e capaz de produzir, de maneira simples, terapias e alternativas médico-nutricionais.

No Brasil mais da metade da população (52%) sofre de alguma patologia crônica, conforme foi divulgado na última Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) realizada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), em parceria com o Ministério da Saúde. As doenças crônicas são um problema de saúde pública, ocasionando mortes prematuras, diminuição da qualidade de vida e custos para a sociedade e os sistemas de saúde.

Neste último levantamento, detectou-se que 5,3% da população foi diagnosticada com alguma doença do coração, e sua maior incidência se dá em pessoas com 75 anos ou mais (17,4%). Os casos de câncer representam 2,6%, os casos ligados a problemas de coluna atingem 21,6% da população, 14,6% com colesterol alto e 7,7% com diabetes.

Para essas enfermidades existe a possibilidade de controle por meio de medicamentos, mas fala-se também em cuidados com a alimentação e prática de atividades físicas. Pensando em uma alternativa para esse contexto, nasceu a Crop Biotecnologia, uma startup que ajuda as pessoas a se prevenirem e a evitarem complicações em doenças crônicas e de relevância, sem atingirem níveis agravantes dessas condições ou terem que gastar altos valores com tratamentos, os quais podem ser pouco acessíveis nos países em desenvolvimento como o Brasil.

As plantas e os organismos vegetais são fábricas autossuficientes de insumos que podem auxiliar no combate às doenças crônicas. Utilizando plataformas desse tipo, é possível programar geneticamente esses seres vivos para produzir insumos e terapias com potencial de tratar diferentes enfermidades.

Com essa visão, a Crop desenvolveu um tomate que pode atuar como uma fonte viva de recursos e compostos ativos para o enfrentamento do colesterol alto. Este produto, no caso, o tomate, poderia ser inserido na alimentação das pessoas, minimizando os riscos associados ao colesterol alto e evitando acidentes cardiovasculares advindos do acúmulo de colesterol ruim na corrente sanguínea, fato que pode desencadear aterosclerose nos indivíduos portadores.

A “biofábrica” em forma de tomate torna-se uma grande possibilidade de se tornar escalonável e capaz de produzir, de maneira simples, terapias e alternativas médico-nutricionais. Programando seres vivos dessa forma, pode-se obter um tomate que parece comum, mas com um promissor potencial de solucionar dores de pacientes com esse tipo de doença crônica, podendo sintetizar e produzir em grande quantidade insumos que reduzem o colesterol ruim circulante (LDL-C) de indivíduos com histórico de dislipidemia familiar ou com altas propensões a aterosclerose.

A produção escalonável dessas moléculas ocorre pela plataforma vegetal que foi desenvolvida pela startup: frutos e plantas, que passam por um processo de engenharia genética e biologia sintética para adquirirem a capacidade de produzir, de forma sustentável, viável e efetiva, essas soluções, podendo ser adicionados na alimentação das pessoas ou utilizados como matéria-prima para o desenvolvimento de alimentos funcionais de nutrição especializada, promovendo melhora na qualidade de vida das pessoas com condições crônicas. “Como uma startup de biotecnologia, é nosso dever levar a ciência para os que precisam dela de fato, fazendo o que estiver ao nosso alcance para melhorar a qualidade de vida das pessoas”, afirma Aruã Prudenciatti, cofundador e CEO da Crop Biotecnologia.

A plataforma vegetal da Crop também tem, por essência, a produção de organismos geneticamente modificados que recebem genes sintéticos de expressão de moléculas desenhadas racionalmente para combater um tipo de doença no organismo. No entanto, o processo para a criação da linhagem de tomate geneticamente modificado vai além, devendo seguir alguns passos:

Entender como o mecanismo patológico da doença em questão atua em indivíduos portadores. Definir alvos moleculares para impedir que o processo fisiológico ocorra de maneira desordenada, e assim conseguir realizar um design racional de moléculas controladoras da homeostase desse tipo de processo patológico. Utilizar uma biofábrica, em forma de tomate, para produzir de forma custo-efetiva e autossustentável a molécula desenhada nos passos anteriores. A capacidade de produção adquirida pela biofábrica advém de engenharia genética e processos de transgenia.

O potencial da engenharia genética é maior do que o estímulo a sistemas extrativistas na agricultura pelo qual é conhecida. A biotecnologia é a solução para diversos problemas da nova era. A ideia da Crop é que o tratamento de doenças crônicas seja tão convencional quanto comer um fruto. Existem barreiras tecnológicas que a empresa luta para sobrepujar, como o controle da dosagem do ativo no fruto in natura, a constância da concentração farmacológica entre safras e, além disso, o caminho a ser percorrido nas agências regulatórias.

“A aplicação do tomate é como uma biofábrica autossustentável capaz de fornecer moléculas custo-efetivas. Após o processamento do fruto in natura em um extrato ou derivado, com dose controlada de concentração ativa ideal, poderá ser inserido na alimentação, uma vez aprovado pelas agências reguladoras, e minimizar os riscos associados a essas doenças”, finaliza Aruã Prudenciatti, cofundador e CEO da Crop Biotecnologia.

Sobre a CROP

Crop Biotecnolgia (Consumable Rengineered Organomolecules Pharming) é uma startup de biotecnologia com a missão de transformar a abordagem para doenças crônicas e de relevância, facilitando e promovendo adesão do usuário aos produtos, por meio do desenvolvimento de soluções inovadoras, trazendo a biotecnologia para perto de quem precisa, buscando solucionar os problemas atuais da área. Tem como parceiros a FAPESP, Hospital das Clínicas da UNESP de Botucatu e UNESP. Como clientes, atende Visto.bio, CAIO, DentalClean, Nchemi. Para mais informações, acesse https://www.cropbiotec.com