Notícia

JC e-mail

Biodiversidade mineira terá diagnóstico para implementação do Biota Minas

Publicado em 07 agosto 2007

60 pesquisadores mineiros que vão trabalhar no projeto se reúnem nesta quarta-feira, na sede da Federação das Indústrias do Estado de MG (Fiemg)


O Governo de MG, por meio da Secretaria de C&T e Ensino Superior (Sectes), em parceria com a Fundação Biodiversitas, lança o projeto "Diagnóstico do Conhecimento da Biodiversidade no Estado de Minas Gerais: Conservação, Uso e Biotecnologia - subsídio para o Biota Minas".

O evento a ser realizado na manhã de quarta-feira (8/8), na sede da Federação das Indústrias do Estado de MG (Fiemg), vai reunir cerca de 60 pesquisadores mineiros que deverão trabalhar no projeto, cujo financiamento será da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig).

De acordo com o Secretário de Estado de C&T e Ensino Superior, Alberto Duque Portugal, o objetivo do projeto é trabalhar um diagnóstico completo e atualizado da biodiversidade mineira, além de mapear o conhecimento existente nas áreas temáticas ligadas à conservação e uso da biodiversidade.

Serão identificadas as lacunas no conhecimento, as demandas prioritárias para as diferentes áreas e a estruturação de uma base de dados para implantação do Biota Minas que deverá ocorrer até meados de 2008.


Marco

O Biota Minas será o resultado da articulação da comunidade científica em torno das premissas preconizadas pela Convenção sobre a Diversidade Biológica, assinada durante a ECO-92 e ratificada pelo Congresso Nacional em 1994.

Os principais temas que serão abordadas durante o lançamento do projeto Diagnóstico são: diversidade de vertebrados, diversidade de invertebrados terrestres, diversidade de organismos aquáticos, diversidade botânica, diversidade microbiana, diversidade genética e biotecnologia.

Segundo a Superintendente Técnica da Fundação Biodiversitas, Gláucia Drummond, apesar de possuir uma diversidade biológica muito rica, Minas Gerais ainda desconhece ou subaproveita grande parte do seu patrimônio.

Por isso, ela acredita ser de fundamental importância o fortalecimento de grupos de trabalho, o direcionamento das linhas de pesquisas e a canalização de recursos financeiros para as áreas temáticas que permeiam o conhecimento sobre a biodiversidade e seu uso potencial.

"Através do desenvolvimento da ciência, o planejamento da gestão ambiental no Estado será beneficiada.", afirma Drummond. Todas as informações compiladas no projeto Diagnóstico serão utilizadas pela Sectes, Fundação Biodiversitas e Fapemig para criação do Biota Minas, que deverá ser estruturado para direcionar recursos financeiros às prioridades indicadas pelos especialistas e instituições de pesquisa do Estado de Minas Gerais.


Presenças

Para a abertura dos trabalhos já confirmaram presença: Alberto Duque Portugal - secretário de Estado de C&T e Ensino Superior; Evaldo Vilela — secretário-adjunto de C&T e Ensino Superior, Octávio Elísio Alves de Brito — subsecretário de Ensino Superior do Estado de Minas Gerais; José Geraldo Freitas Drumond — presidente da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig); Mário Neto Borges — diretor Científico da Fapemig, Cástor Cartelle — diretor-presidente da Fundação Biodiversitas e Fernando Coura — conselheiro da Fundação Biodiversitas e presidente do Sindiextra.

Programação

9h — Abertura oficial

9h40 - Palestra: "Programa Biota/Fapesp — um modelo para programas de pesquisa em caracterização, conservação e uso sustentável da Biodiversidade" —Carlos A. Joly, da Unicamp.

10:10 — Debate

10:20 - Palestra: "Avanços na gestão de dados e informações sobre espécies e espécimes: exemplo da rede Species Link". - Dora Ann Lange Canhos — Centro de Referência em Informação Ambiental (Cria)

11:05 — Debate

11:15- Apresentação dos objetivos, metas e metodologia do projeto — Fábio Vieira e Cássio Soares Martins - Fundação Biodiversitas.

12h — Debate

12:10 - Encerramento

(Assessoria de Comunicação da Secretaria de C&T e Ensino Superior de MG)