Notícia

RedeNotícia

Biodiversidade e polinização são temas de palestras do BIOTA-FAPESP Educação

Publicado em 19 março 2014

Agência FAPESP – O Programa de Pesquisas em Caracterização, Conservação, Recuperação e Uso Sustentável da Biodiversidade do Estado de São Paulo (BIOTA-FAPESP) realiza na quinta-feira (20/03), na sede da Fundação, três palestras sobre biodiversidade e polinização.

O encontro é parte do ciclo de conferências de 2014 do BIOTA-FAPESP Educação, vertente do programa voltada à melhoria do ensino da ciência da biodiversidade. Podem participar estudantes, alunos e professores do ensino médio, alunos de graduação e pesquisadores.

A polinização é um dos serviços ecossistêmicos ou ambientais gerados naturalmente por ecossistemas. Esses serviços produzem benefícios aos seres humanos, seja na forma de produtos – como alimentos e substâncias medicinais –, seja na forma de processos relacionados à fertilização do solo, controle do clima e muitos outros.

As palestras vão tratar de sistemas de polinização de espécies brasileiras, serviços ecossistêmicos das abelhas e polinizadores de culturas importantes da agricultura brasileira e serão apresentadas pelas pesquisadoras Kayna Agostini, da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Vera Imperatriz Fonseca, do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal Rural do Semiárido (Ufersa), no Rio Grande do Norte, e Cláudia Inês da Silva, da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Essencial para a manutenção de espécies e a variabilidade genética entre os vegetais, a polinização é o início do processo reprodutivo de plantas espermatófitas, isto é, que produzem sementes. É feita pela transferência de grãos de pólen – células reprodutivas masculinas – para o aparelho receptor feminino dos vegetais principalmente pelas abelhas, os mais importantes polinizadores de ecossistemas em todo o mundo.

O declínio na população de abelhas polinizadoras, observado atualmente na Europa e nos Estados Unidos, causa prejuízos anuais de centenas de milhões de dólares. No Brasil, poucos estudos sobre as condições para que a polinização ocorra em diferentes ecossistemas estão concentrados em culturas relevantes para a atividade econômica, como laranja, café, soja, algodão, maracujá, maçã, melão e caju.

BIOTA-FAPESP Educação

O BIOTA-FAPESP Educação realizou seu primeiro ciclo de conferências em 2013, com palestras sobre biodiversidade e biomas brasileiros. A atividade continua em 2014 abordando o tema serviços ecossistêmicos. As palestras transmitem, em linguagem acessível, o conhecimento sobre biodiversidade e sua conservação, recuperação e uso sustentável gerado pelo BIOTA-FAPESP. Os temas dos próximos encontros serão Proteção aos Recursos Hídricos, Biodiversidade e Mudanças Climáticas e Ciclagem de Nutrientes.

Em 14 anos de pesquisa, o programa produziu um banco de dados com mais de 102 mil registros de quase 12 mil espécies. Os pesquisadores ligados a mais de 100 projetos formaram 205 doutores, publicaram 1.050 artigos científicos em 260 revistas científicas, 20 livros, dois atlas e mapas temáticos para orientação de políticas públicas. Esse conjunto de informações subsidiou a criação de 23 instrumentos legais (leis, decretos e resoluções) voltados à conservação ambiental no Estado de São Paulo.

O evento é gratuito, mas as vagas são limitadas e as inscrições devem ser feitas pelo sitewww.fapesp.br/eventos/biotaeduc2014/polinizacao/inscricao.

A conferência ocorrerá a partir das 14 horas na sede da FAPESP, que fica na Rua Pio XI, 1500, em São Paulo.

Mais informações www.fapesp.br/eventos/biotaeduc2014/polinizacao