Notícia

Jornal de Beltrão online

Biocombustíveis têm espaço para crescer sem prejudicar a produção de alimentos

Publicado em 29 maio 2010

Agência Fapesp

A afirmação de que o aumento na produção de biocombustíveis poderá incorrer na escassez na produção de alimentos é injustificada, segundo cientistas apontaram em debate durante o workshop Scientific Issues on Biofuels, realizado nos dias 24 e 25 de maio na sede Fapesp, em São Paulo

O evento foi promovido pela Fundação, pelo Programa Fapesp de Pesquisa em Bioenergia (Bioen), pela Academia Brasileira de Ciências (ABC) e pelo InterAcademy Panel (IAP) - rede que reúne academias de ciências de diversos países.

"Com essa discussão, perde-se a oportunidade de se debater de fato os impactos sociais mais relevantes. Muitas oportunidades estão sendo perdidas na África, por exemplo, onde a ideia de agricultura para acabar com a fome é o argumento político mais recorrente", disse Emile Van Zyl, da Universidade de Stellenbosch, na África do Sul.

Van Zyl apresentou um panorama das tecnologias de conversão de celulose, com destaque para o processo de bioprocessamento consolidado (CBP), no qual as quatro transformações envolvidas na produção do bioetanol (produção de enzimas, sacarificação, fermentação de hexoses e fermentação de pentoses) ocorrem em uma só fase.

"O processo de bioprocessamento consolidado vem barateando os custos da produção, que ainda são altos. Ou seja, o obstáculo ainda é o processo, mas um dos maiores desafios é pensar no insumo, porque as tecnologias estarão disponíveis em um futuro próximo", salientou.

Segundo ele, na América do Sul e, principalmente, na África, existem áreas abandonadas com potencial de utilização para a produção de biocombustíveis sem comprometer a de alimentos. "O problema na África é a pobreza, não a capacidade de explorar esse potencial agrícola para biocombustíveis", afirmou.

No estudo apresentado, o professor sul-africano demonstrou que a África poderia produzir cerca de 100 milhões de toneladas por ano de biomassa celulósica não alimentícia. Outro dado significativo é que, em 2003, havia um excesso de 4 milhões de toneladas de milho.

Caminho único

Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da Fapesp, analisou dados relacionados ao uso do solo no Brasil, em particular em São Paulo, e o trabalho agrícola. Para ele, parece haver um consenso de que o mundo não está convencido da possibilidade do uso de biocombustíveis em larga escala.

"No debate envolvendo brasileiro versus europeu, por exemplo, parece haver uma discussão entre pessoas que não se entendem. O que devemos fazer é sincronizar esse entendimento e permitir que cada região conheça os seus limites", ressaltou.

Segundo Brito Cruz, essa compreensão é importante porque, no Brasil, não há um sentimento tão forte de rejeição aos biocombustíveis. "Os números da expansão da cana-de-açúcar vão ao encontro dessa perspectiva e destacam a existência de áreas que ainda podem ser exploradas", disse.

Transformação radical

"A substituição gradativa dos combustíveis fósseis por outras fontes renováveis é um caminho sem volta. Mas estou convencido de que, a longo prazo, precisaremos de uma transformação radical nos hábitos da humanidade em relação aos meios de transporte, se pretendemos chegar a uma prática efetiva de sustentabilidade, uma vez que existem limites aos consertos científicos e tecnológicos para essa demanda eternamente crescente", destacou.