Notícia

Jornal da Unesp online

Bauru debate novas técnicas para experiências com nanotecnologia

Publicado em 16 junho 2010

A Nanoarte, uma das aplicações da nanotecnologia, é produzida com imagens de partículas subatômicas A Faculdade de Ciências (FC), campus de Bauru, realizará, de 29 a 30 de julho, o II Simpósio Paulista de Nanotecnologia. Simulações computacionais e outros métodos serão apresentados por especialistas das áreas de química, física, matemática, biologia e engenharia dos materiais. O evento recebe trabalhos até 2 de julho e deve ajudar a promover uma maior compreensão dos dispositivos de dimensões nanométricas, ou seja, de milionésimos de milímetro. "As discussões estarão centradas nas técnicas de modelagem e simulações computacionais, que são cálculos matemáticos cada vez mais utilizados nas pesquisas para o desenvolvimento de novos materiais", afirma um dos coordenadores do evento, professor Júlio Ricardo Sambrano, do Departamento de Matemática da FC.

Ele explica que os dois métodos têm um objetivo comum: prever o comportamento da matéria e, assim, `observar` como se comportará um composto em escala nanométrica. Entre os palestrantes que foram convidados para o simpósio está Sérgio Novaes, que fará uma exposição relacionando nanotecnologia e computação. Ele é professor do Instituto de Física Teórica (IFT), câmpus da Barra Funda.

O físico Israel Jacob Rabin Baumvol, da Universidade Federal de Caxias do Sul, fará uma apresentação sobre a `ultradureza` em revestimentos nanoscópicos, que podem se tornar até três vezes mais rígidos do que outros coberturas. O engenheiro de materiais Cauê Ribeiro de Oliveira, da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), fará uma exposição que relaciona a descontaminação ambiental ao tema do encontro. Estarão presentes ainda Fritz Cavalcante Huguenin e Koiti Araki, ambos da USP, e Nelson Henrique Morgon, da Unicamp. Este último concentrará sua atenção nos cálculos estatísticos para simulações moleculares. O encontro tem o apoio da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico).

Ao final do simpósio, estudiosos do Instituto Nacional de Ciências dos Materiais em Nanotecnologia (INCTMN) farão uma mesa-redonda com todas as temáticas apresentadas. O órgão é coordenado pelo professor Elson Longo e tem sede no Instituto de Química, câmpus de Araraquara. O grupo também produz obras de nanoarte, uma recente expressão artística que trabalha com imagens de partículas subatômicas. A equipe é formada por especialistas de diversas instituições, entre elas, a Universidade Federal de São Carlos, o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN) e a USP. A taxa de inscrição para participar do evento tem desconto para estudantes e condições especiais para quem aderir até o dia 30 de junho.