Notícia

Folha de Alphaville online

Barueri ganha "caminhão do tempo"

Publicado em 01 fevereiro 2008

O Laboratório de Hidrometeorologia do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP, implantado em uma moderna carreta, está estacionado em Barueri, e realiza desde o início do ano, previsões em um curto espaço de tempo. A carreta informa sobre a formação de nuvens de chuvas e granizo entre outras informações para os próximos dois dias.

A carreta dará apoio ao trabalho da Defesa Civil, que poderá se preparar para fortes chuvas e evitar situações de calamidade. "O nosso trabalho será facilitado. Teremos informações precisas, além de estimativas de chuvas em determinados bairros. Poderemos prever enchentes e deslizamentos e antecipar as nossas ações", disse o comandante da Defesa Civil de Barueri e inspetor da Guarda Civil Municipal (GCM), Pedro Domingues da Silva.

Além da informação de chuvas e granizo é possível saber o local de formação de uma tempestade, o tempo de deslocamento de uma nuvem de chuva para uma região determinada, a umidade do ar e do vento entre outros. A medição é realizada em toda a região metropolitana da Grande São Paulo e do interior passando por Barueri, Santana de Parnaíba, Campinas, São José dos Campos até o litoral norte e Baixada Santista, como São Sebastião e Itanhaém.

É possível fazer ainda previsões no prazo de até três horas com até dois dias de antecedência. Na região metropolitana dá para fazer o estudo a cada dois quilômetros e na capital a cada 12 quilômetros.

O caminhão que faz parte do programa da Fundação de Amparo à Pesquisas do Estado do Estado de São Paulo (Fapesp) e do Sistema Integrado de Hidrometeorologia do Estado de São Paulo (Sihesp) está estacionado próximo ao Instituto Técnico de Barueri (ITB) do Jardim Tupã. A partir de 15 de fevereiro, a medição acontecerá 24 horas por dia no Aterro Sanitário, no Jardim Califórnia. Até o final deste mês de fevereiro, um convênio será assinado para firmar o acordo entre a Prefeitura de Barueri e a Universidade de São Paulo (USP) para que o "laboratório" seja operado na cidade no período de 12 meses e prorrogado para 5 anos.

A primeira vez que o laboratório móvel veio à cidade foi no final de abril 2007 para monitorar enchentes na região metropolitana. Depois a próxima visita aconteceu dia 3 de janeiro deste ano para uma pré-operação. E no dia 16 do mesmo mês, o laboratório foi instalado na cidade após apresentação do professor-doutor do IAG/USP, Augusto José Pereira Filho, ao secretário de Segurança Edson dos Santos Silva, o comandante da GCMB (Guarda Civil Municipal de Barueri), Rinaldo Albuquerque Pereira, e ao inspetor da Defesa Civil de Barueri, Pedro Domingues da Silva.

E como no início desta semana choveu bastante, o equipamento foi utilizado e detectou aproximadamente 50ml de chuva. Um número considerado alto para o professor-doutor Augusto Filho, porque durante todo o mês de janeiro na região metropolitana a média de chuva é de 220ml, significa 220 litros de água a cada metro quadrado.

Os equipamentos do laboratório móvel são todos importados. Só a parte de controle e a antena de transmissão e recepção de microondas (ondas eletromagnéticas) estão avaliadas em cerca de R$300 mil. Valor que não inclui refletores, gerador, computadores e softwares. "Temos uma visão geral da chuva em toda essa região. Um benefício para todos os municípios", disse Augusto.

Para que o sistema seja operado, nove guardas civis municipais de Barueri foram treinados. "Esse é o primeiro caminhão de sistema móvel do mundo com um radar mais moderno na América Latina. Com sistema similar é possível encontrar apenas para pesquisa, mas não para uma operação como a que está sendo realizada aqui na cidade", complementou Augusto.