Notícia

Agência C&T (MCTI)

Balões meteorológicos farão medidas no interior da Amazônia

Publicado em 24 junho 2011

Serão lançados amanhã (25) de Tomé-Açú (PA), a 113 quilômetros da capital paraense, dois balões meteorológicos que irão penetrar a região amazônica por centenas de quilômetros. Os lançamentos estão programados para as 10 e 22 horas. Serão coletados dados de pressão, temperatura, umidade, direção e velocidade dos ventos, que serão comparados posteriormente com os do modelo de previsão do tempo CATT-BRAMS, do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (CPTEC/Inpe).

 

Os lançamentos destes balões fazem parte da campanha científica do Projeto Chuva, que teve início no começo do mês em Belém, com o objetivo de compreender com maior detalhamento a estrutura das linhas de instabilidades, típicas na região, que provocam chuvas intensas nesta época do ano.

 

A campanha, coordenada pelo CPTEC/Inpe e com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), conta com grande quantidade de equipamentos instalados em instituições integrantes do projeto em Belém e regiões próximas, como o INMET, Universidade Federal do Pará, Sipam, o Destacamento de Controle do Espaço Aéreo (DTCEA) e a Secretaria do Meio Ambiente do Pará.

 

O experimento com os balões está sendo organizado pela professora da UFPA, Júlia Cohen, coordenadora local da campanha, e pelo professor David Fitzjarrald, da Universidade de Nova York. Ambos são especialistas em convecção e pretendem entender os mecanismos que mantêm a atividade convectiva das linhas de instabilidades.

 

Os balões têm autonomia de 48 horas de voo, aproximadamente, medem 90 centímetros de diâmetro, 3,2 metros de altura e carregam uma sonda de 400 gramas. Uma vez lançado, serão conduzidos pelos ventos. O deslocamento vertical será controlado remotamente via satélite, mas o voo ficará em torno de 1000 metros de altitude, que corresponde ao topo da camada limite da atmosfera.

 

As medidas nesta região atmosférica são de interesse à pesquisa devido à forte interação com a superfície (troca de energia), influenciando a formação e o desenvolvimento das linhas de instabilidade. O voo do balão poderá ser acompanhado pela homepage: http://www.science.smith.edu/cmet/flight.html.

 

Esta é a segunda campanha científica do Projeto Chuva de um total de seis previstas até o final de 2014. O objetivo é compreender os diferentes sistemas convectivos que atuam no país. Mais informações sobre o projeto e as campanhas podem ser acessadas no portal do Chuva: http://chuvaproject.cptec.inpe.br/portal/br/