Notícia

ZooNews

Balanço das ações gerenciais de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação na Embrapa Agroenergia no ano de 2011

Publicado em 01 fevereiro 2012

Por Sérgio Saraiva Nazareno dos Anjos

De relevância científica, estratégica e política, a busca por alternativas para produção de energia renovável se intensificou nesta década diante da possibilidade de escassez das fontes fósseis ainda neste século. Atendendo a estes cenários, foi publicado em 2006 pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) o Plano Nacional de Agroenergia 2006-2011 (PNA), apresentando formalmente o apoio do Governo Federal no desenvolvimento de ações para tornar o Brasil uma potência em agroenergia. Isso porque o país possui grande extensão territorial, um grande número de ecossistemas e a disponibilidade de muitas fontes naturais de energia, dentre elas as de origem vegetal e animal.

Após a publicação do PNA, criou-se também em 2006 o Centro Nacional de Pesquisa de Agroenergia, uma Unidade Descentralizada da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) cujo acrônimo é Embrapa Agroenergia. Esta é uma Unidade Descentralizada de médio porte, composta por 53 a 162 empregados, atualmente com 90 vagas autorizadas pela Diretoria da Empresa. O corpo técnico e administrativo da Unidade contava com 85 empregados até Dezembro de 2011, sendo que 30 chegaram à Unidade em 2011. Mais de 60% do corpo técnico e administrativo atual do CNPAE tem alto grau de formação acadêmica (Mestrado e Doutorado), corroborando para a excelência na execução das atividades científicas e gerenciais.

Um fato importante advindo da expansão da Unidade é a alta participação do corpo de empregados em cursos e eventos gerenciais e técnico-científicos. As participações se deram em cursos, workshops, seminários, inaugurações, palestras, reuniões, visitas técnicas, congressos, convenções, dias de campo, exposições, feiras e mesas redondas realizados em âmbitos locais, regionais, nacionais e internacionais. Isso corrobora para ampliação da prospecção de temas de pesquisa e parceiros de projetos, além da formação gerencial necessária para a coordenação das atividades técnicas. Foram 123 participações em 2011, totalizando carga horária de 6.305 horas.

O ano de 2011 também foi importante para a consolidaçao do portfólio de projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação. Foram submetidas 65 propostas a fontes internas (Sistema Embrapa de Gestão - SEG) e externas de fomento (CNPq, FINEP, BNDES e FAPESP), além de chamadas de parcerias nacionais e internacionais. Até o final do ano, foram aprovadas quase 40% das submissões, um número considerado expressivo diante da alta concorrência nas chamadas de projetos publicadas no Brasil e no exterior. Com este reforço, a carteira de projetos da Embrapa Agroenergia expandiu 20% e conta atualmente com 42 projetos, liderados ou em parceria. Conta também com parceiros de peso, como Instituto Nacional de Tecnología Agropecuaria (Argentina), Fundação Oswaldo Cruz, Universidade de Brasília, Plant Research International B.V. (Holanda), Universidade Estadual de Campinas e Universidade Federal do Rio de Janeiro, além de diversas Unidades da Embrapa, como Embrapa Amazônia Oriental (Belém/PA), Embrapa Clima Temperado (Pelotas/RS), e Embrapa Instrumentação (São Carlos/SP), Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Brasília/DF) e Embrapa Semiárido (Petrolina/PE).

Para ampliação deste portfólio e a execução de estudos científicos e tecnológicos em temas estratégicos, a Embrapa Agroenergia realizou em 2011 e realizará em 2012 eventos para agregar possíveis parceiros e discutir focos de pesquisa em temas como Biorrefinarias, Metabolômica, Produção de Pinhão-manso, Destoxicação e Reaproveitamento das Tortas de Pinhão-manso e Mamona, Microrganismos em Agroenergia e Biocombustíveis de Aviação.

*Sérgio Saraiva Nazareno dos Anjos, MSc, é analista da Embrapa Agroenergia