Notícia

Imprensa Livre

Baía do Araçá é tema de palestra no Municipal

Publicado em 10 julho 2012

Por Thereza Felipelli

Alexander Turra, docente do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (USP), realizou uma palestra no Teatro Municipal de São Sebastião, para a apresentação do projeto temático de pesquisa “Biodiversidade e Funcionamento de um Ecossistema Costeiro Subtropical; subsídios para Gestão Integrada”, na última quarta-feira.

A palestra faz parte de um workshop realizado de 1 a 5 deste mês no Cebimar/USP, que teve como objetivo principal realizar a integração da equipe com relação às estratégias das diferentes áreas do conhecimento e a capacitação para integração dos resultados durante o desenvolvimento do projeto, que tem como foco a Baía do Araçá, e o financiamento da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

O projeto, que está sendo iniciado, tem como objetivo utilizar o Araçá como um estudo de caso multidisciplinar para o entendimento do funcionamento e da importância de áreas costeiras de baixo hidrodinamismo, incluindo a biodiversidade marinha e a abordagem de serviços ecossistêmicos. Já são 40 participantes nesse projeto que pretende diagnosticar com mais clareza o possível impacto da ampliação do porto sobre o lugar.

Segundo Turra, o encontro teve ainda como objetivos divulgar o trabalho já realizado por diversas universidades e manter laços com o governo e a sociedade civil, para promover uma discussão ampla e profunda sobre o Araçá e suas possibilidades futuras de gestão. Serão necessários quatro anos para a conclusão final destes estudos.

O projeto

Segundo a professora Antonia Cecília Amaral, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a evolução do manguezal do Araçá, principalmente ao longo dos últimos 60 anos, se constitui num exemplo importante para o estabelecimento de uma perspectiva de delimitação e uso compartilhado. “A região de entorno do Araçá apresenta expansão pronunciada, promovendo a utilização deste compartimento costeiro por habitantes e visitantes de São Sebastião, Ilhabela, e do Canal de São Sebastião. Nesse sentido, o delineamento de um projeto específico para este fim, que considere o levantamento e a sistematização de informações que possam ainda subsidiar a elaboração de políticas públicas e a tomada de decisão pautadas na sustentabilidade, necessita de abordagens multidisciplinares, como desenhado na presente proposta”, declara.

“Essa abordagem de estudo, utilizando a baía do Araçá como modelo, traz uma oportunidade concreta para fomentar diálogos sobre um novo paradigma de desenvolvimento para boa parte da costa brasileira: conciliar a conservação da biodiversidade e os diferentes tipos de uso de ambientes costeiros”, continua Cecília.

Segundo ela, os dados serão inéditos, permitindo descrever o funcionamento deste tipo de ambiente, tão especial em termos sociais, econômicos e biológicos.

Semam

Para o secretário de Meio Ambiente de São Sebastião, Eduardo Hipólito do Rego, presente ao encontro no teatro, o projeto é de extrema importância para que a sociedade tenha mais esclarecimentos sobre o lugar. “De uma maneira geral, este projeto é muito importante porque esclarece muita coisa. Acredito até que o porto deveria suspender qualquer licenciamento até que tenhamos um conhecimento maior da área, ou seja, o objetivo deste projeto”, destacou o secretário.

O assessor de departamento da pasta, Evandro Figueiredo Sebastiani, acredita que o projeto será essencial para que obtenham dados mais técnicos e precisos relacionados à baía. “Até hoje, ninguém tem dados concretos para saber o real impacto. Este trabalho trará mecanismos científicos para sabermos de fato quais serão estes problemas. Está é a importância de um projeto como este”, destaca Sebastiani.