Notícia

Entrelinhas.com

Bagres podem estragar suas férias

Publicado em 01 fevereiro 2006

O dermatologista Vidal Haddad Jr., professor da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Botucatu, acabou de passar alguns dias em Ubatuba, litoral norte de São Paulo, trabalhando. E bastou poucos dias para que ele percebesse um problema comum, que ocorre bastante nas praias brasileiras, principalmente no alto verão.
Como nesta época do ano o número de pessoas aumenta bastante nas praias, o encontro entre animais marinhos e humanos é inevitável.
"Quer ver um acidente bastante comum, que presenciei algumas vezes nesses dias? Pessoas feridas por bagres, que estão mortos na areia na linha da maré", explica Haddad Jr. à Agência FAPESP.
Para alertar sobre todos os potenciais perigos dos bagres, e outros relacionados com diversos animais marinhos, é que o grupo de Botucatu resolveu criar um portal eletrônico na internet para os interessados.
"Esse é um dos produtos do Centro de Estudos Sobre Animais Aquáticos Potencialmente Perigosos, que estamos organizando aqui em Botucatu", disse o médico.
A intenção, explica Haddad Jr., não é exercer a medicina pela rede mundial de computadores, prática considerada ilegal pelas leis brasileiras. "Mas existem várias medidas, que mesmo depois do acidente ocorrer, podem ser tomadas em nível de primeiros-socorros. Isso é importante divulgar, porque poderemos ajudar muitas pessoas e inclusive vários órgãos interessados no tema, como a prefeitura das cidades do litoral", explica.
No caso dos bagres, mostra o portal, o importante é colocar o ferimento em água quente (a 50ºC) por 30 a 90 minutos. E depois disso retirar os fragmentos de ferrão ou epitélio glandular, com o auxílio médico, presente na pele. Além do ferimento físico, normalmente também ocorre a liberação de substâncias tóxicas ao homem nesse tipo de acidente.
Além dos bagres soltos na areia, que causam acidentes bastantes vezes bem doloridos, outro problema comum no litoral, pelo menos de São Paulo, são causados pelo encontro do homem com o ouriço-do-mar.