Notícia

Macaé Offshore

Avanço nos estudos do pré-sal

Publicado em 26 outubro 2009

Universidade em São Paulo instalará centro de estudos que terá como objetivos dar subsídios técnicos para a exploração de fontes de energia e formar mão de obra, especialmente para o setor de petróleo e gás

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) irá implantar um novo centro de estudos em um de seus campi. Nomeado "Núcleo de Estudos Avançados do Mar: Um olhar para o pré-sal", a unidade será instalada no Campus do Litoral Paulista (CLP) e já recebeu o apoio do Ministério de Ciências e Tecnologia (MCT), conforme anúncio divulgado no início de setembro. A estimativa é que de sejam investidos cerca de R$ 30 milhões na unidade.

O projeto busca dar subsídios técnicos à exploração de fontes de energia, como o petróleo localizado na região do pré-sal, mas sem perder o foco da conservação ambiental. No Núcleo de Estudos serão enfocadas áreas ligadas à Geologia e Geofísica Marinha, Oceanografia, Meio Ambiente e outras ligadas indiretamente ao mar. Outras pesquisas ligadas à abertura do Atlântico Sul, questões ambientais, hidrologia e contaminação de aquíferos também poderão ser estudadas conforme programas de parceria com órgãos já estabelecidos nestas modalidades de estudo.

O apoio do MCT irá consistir na construção de estrutura para pesquisa e desenvolvimento nas áreas de Geologia, Meio Ambiente, Oceanografia, Química e Farmácia. As obras para construção do centro deverão ser iniciadas ainda no final de 2009, com previsão de finalização em seis meses. Já as atividades do núcleo deverão começar no segundo semestre de 2010.

De acordo com o professor do Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE) da Unesp de Rio Claro e membro do Núcleo de Estudos Avançados do Mar, Peter Hackspacher, com a nova unidade pretende-se criar cursos de pós-graduação para a formação de pessoal qualificado nas atividades de pesquisa, inovação tecnológica, desenvolvimento de produtos e nos processos e serviços relacionados ao mar. "Desejamos propor um programa de pós-graduação na área, cuja abordagem é inédita no Brasil. Existe uma carência muito grande de profissionais com essas especializações em nível de pós-graduação", alertou.

O centro reunirá 117 pesquisadores de diversas unidades da instituição e será voltado para o desenvolvimento de estudos nas áreas de Geologia, Oceanografia, Recursos Naturais, Meio Ambiente e Recursos Pesqueiros. Na seleção da equipe, a experiência dos profissionais foi um dos fatores avaliados. Segundo o professor, todos os selecionados já atuam em atividades afins.

"A participação deles seria através de projetos nacionais e internacionais, orientando alunos de diferentes níveis. Será considerada a interação com diferentes órgãos de pesquisa e ministérios brasileiros", explicou Peter.

A escolha da cidade de São Vicente foi baseada em dois fatores principais: a competência nas áreas descritas e a vocação do litoral paulista. Além delas, diferentes ações na área de Petróleo e Gás em andamento na universidade, participação em várias redes da Petrobrás, apoio da Agência Nacional de Petróleo (ANP), projetos de P&D em andamento sobre a Bacia de Santos e participação em Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCT) sobre Estudos Antárticos formam as demais razões que diferenciaram a cidade paulista.

Infraestrutura

O núcleo terá um conjunto de laboratórios, que serão utilizados no sistema de multiusuários, e equipamentos de grande e médio portes. Este sistema consiste no uso partilhado de equipamentos analíticos de diversas áreas, como de Química Isotópica, Geofísica, Processamento e Modelagem de dados geofísicos, úteis para solução de diferentes conceitos como, por exemplo, na exploração e preservação ambiental.

O caráter multidisciplinar do projeto irá possibilitar a criação de novos produtos a partir da biodiversidade, bem como a avaliação química e farmacológica das plantas da Mata Atlântica, além do estabelecimento de políticas públicas adequadas para o crescimento econômico da região. "Pesquisas conjuntas com diferentes órgãos federais e estaduais permitirão aprofundar a identificação de interesses econômicos", ressaltou.

Iniciativas diferenciadas

Além do Núcleo, a Universidade desenvolve outros estudos no segmento de petróleo e gás. Na Geologia, a Unesp possui parcerias com a Petrobrás, ANP, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Entre os projetos em andamento, pode-se citar um com a ANP sobre a reavaliação da Bacia de Santos a partir de reintepretação de linhas sísmicas. Além disso, existem projetos da Petrobrás cujos temas incluem contaminação em áreas litorâneas, degradação ambiental e avaliação, geologia ao longo de dutos de gás e pedologia em regiões de impacto ambiental.

"Um centro dessa natureza é inédito no Brasil e acreditamos que outros setores mostrarão interesse em desenvolver pesquisas em colaboração com os projetos do Núcleo", afirmou o professor, com boas expectativas para o projeto.