Notícia

Folha de Londrina online

Aumento na produção, queda na qualidade

Publicado em 19 abril 2015

Londrina - De acordo com o último panorama mundial, divulgado pela Revista Nature, no final do ano passado, o investimento anual do Brasil em pesquisa científica é de R$ 59,4 bilhões, o suficiente para organizar duas Copas do Mundo (25,6 bilhões). Com 40.306 publicações em 2013, o Brasil é líder em publicações científicas na América do Sul. O segundo colocado, a Argentina, tem 9.337 artigos. No entanto, na análise de artigos per capita, o Brasil é semelhante a Argentina, Uruguai e Chile. 

Na última década (2001-2011), o Brasil subiu de 17º para 13º no ranking mundial de quantidade de artigos publicados. Foram 49,6 mil artigos publicados em 2011 contra 13,8 mil em 2001. Já em relação ao impacto da pesquisa, medido pela quantidade de citações em outros artigos, o Brasil caiu de 31º para 40º no ranking mundial. 

O Brasil é o único país do continente que destina mais de 1% de seu Produto Interno Bruto (PIB) em pesquisas. Segundo o Banco Mundial, em 2010, a cifra foi de 1,16%, enquanto o líder mundial, Israel, investiu 4,35% de seu PIB. A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), com investimento anual em pesquisas que ultrapassa R$ 1 bilhão, tem papel de destaque no país. "Sou do Rio de Janeiro mas me mudei para São Paulo por melhores condições. Não é fácil para uma carioca admitir isso", disse a geneticista Lygia Pereira, da USP. 

No Paraná, a Fundação Araucária trabalha com cifras bem mais modestas, cerca de R$ 55 milhões anuais. O presidente Paulo Profman informou que desde o início da gestão, em 2011, focou na formação de recursos humanos. Segundo ele, a partir deste ano, o fomento de pesquisas ganhará força. "Temos buscado parceria com a iniciativa privada e pretendemos ampliar os investimentos nesta frente de pesquisas".

(C.F.)