Notícia

MSN

Atividade humana nos trópicos americanos: 500 anos de destruição

Publicado em 15 setembro 2020

Por University of East Anglia

Os efeitos devastadores da atividade humana sobre a vida selvagem nos trópicos americanos nos últimos 500 anos são revelados em um estudo publicado na revista “Scientific Reports”.

Mais da metade das espécies em assembleias locais (conjuntos de espécies coexistentes) de mamíferos de médio e grande porte que viviam nos Neotrópicos das Américas Central e do Sul (que incluem essas partes do continente americano e também áreas do México) morreu desde que a região começou a ser colonizada pelos europeus, em 1500.

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade de East Anglia (Reino Unido) descobriram que a atividade humana, como mudança de habitat e caça excessiva, é amplamente responsável pela perda esmagadora, ou “defaunação”, na diversidade de mamíferos na América Latina.

Tecnologia para preservar a biodiversidade

O estudo comparou todos os inventários de animais em mais de 1.000 locais de estudo neotropicais publicados nos últimos 30 anos com dados básicos que remontam à era colonial.

Mudanças de habitat

As descobertas baseiam-se em uma compilação de 1.029 assembleias separadas de mamíferos – normalmente a alguns quilômetros de distância umas das outras – abrangendo aproximadamente 10.700 km e 85 graus de latitude em 23 países, do México à Argentina e ao Chile.

Eles revelam que a causa dominante da extinção de espécies locais e da redução do tamanho da assembleia (a redução no tamanho do corpo dentro de cada assembleia) é um resultado direto das mudanças de habitat, como agricultura, extração de madeira e incêndios, e agravado pelo processo crônico de caça excessiva.

O dr. Juliano André Bogoni, pesquisador de pós-doutorado patrocinado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), que atua na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq-USP) e também na Escola de Ciências Ambientais da Universidade de East Anglia, conduziu o estudo com o prof. Carlos Peres (Universidade de East Anglia) e a profª Katia Ferraz (USP).

“Nossas descobertas podem ser usadas para informar as políticas internacionais de conservação para prevenir a erosão ou restaurar a biodiversidade nativa”, afirmou Bogoni. “Mais esforços de conservação devem ser mobilizados para prevenir os biomas mais intactos da fauna, como a Amazônia e o Pantanal, de seguir as pegadas de ‘ecossistemas vazios’, hoje típicos de áreas historicamente degradadas, como a Mata Atlântica e a Caatinga.”

Ele acrescentou: “Isso inclui a implementação efetiva e a aplicação da lei nas áreas protegidas existentes e a redução das pressões políticas para rebaixar ou reduzir o tamanho dessas áreas. Um maior investimento deve ser alocado para um controle mais eficaz da caça ilegal, particularmente caça comercial, desmatamento e incêndios antropogênicos, também para garantir que as áreas protegidas totalmente implementadas estejam funcionando.”

Desaceleração urgente

Peres afirmou: “A gestão de recursos sólidos deve ser sensível ao contexto socioeconômico, recrutando, em vez de antagonizando, as potenciais alianças locais que podem efetivamente preencher o vazio institucional em regiões de baixa governança”.

“Hominíneos e outros mamíferos coexistiram desde os primeiros caçadores do Paleolítico, empunhando ferramentas de pedra, há cerca de 3 milhões de anos”, prosseguiu Peres. “Ao longo dessa longa escala de tempo, as perdas de biodiversidade só recentemente aceleraram as velocidades vertiginosas desde a Revolução Industrial. Vamos nos certificar de que essa onda implacável de extinções locais seja desacelerada rapidamente, ou então as perspectivas para mamíferos neotropicais e outros vertebrados parecerão cada vez mais sombrias.”

A equipe analisou 165 espécies e as perdas locais em mais de 1.000 conjuntos de espécies de mamíferos de médio a grande porte pesquisados nos Neotrópicos.

Em média, mais de 56% da vida selvagem local dentro das assembleias de mamíferos na região Neotropical foram exterminadas. A anta brasileira e os queixadas representaram a maior parte das perdas. A defaunação foi generalizada, mas está afetando cada vez mais os principais biomas relativamente intactos, que estão rapidamente sucumbindo à invasão das fronteiras do desmatamento.

Com o passar do tempo, a distribuição da massa corporal dos mamíferos em toda a assembleia foi reduzida de um histórico 95º percentil de aproximadamente 14 kg para apenas cerca de 4 kg nas assembleias modernas.